BRASIL

CASO JONATAN » Família repudia 'prisão forçada'

Publicação: 13/01/2018 03:00

A família de Jonatan Moisés Diniz – o brasileiro que diz ter sido preso propositalmente para chamar a atenção sobre a crise na Venezuela – divulgou um comunicado nesta sexta-feira, no qual afirma desconhecer completamente a “atitude reprovável” dele. Detido na Venezuela no fim de dezembro, ele mobilizou esforços do Itamaraty pela sua libertação para depois dizer que planejou ser detido pelo chavismo. A motivação de Jonatan foi apresentada em um vídeo de pouco mais de cinco minutos exibido durante apresentação de sua ONG Time to Change the Earth (Tempo de mudar a Terra), na última quinta-feira.

“Jamais imaginamos que sua prisão fosse resultado de um ato premeditado. Ficamos estarrecidos ao tomar conhecimento das declarações contidas no vídeo”, diz a família no texto. Os parentes também se mostraram envergonhados pela força-tarefa criada para libertar o brasileiro. Jonatan passou 11 dias na prisão. “Após recebida a notícia de sua prisão, a família ficou sem chão. Desde 26 de dezembro de 2017 não houve mais contato e as mensagens enviadas apareciam como não tendo sido recebidas. Também não havia qualquer notícia sobre seu real paradeiro. Só restava à família conseguir o apoio possível em busca de notícias”, acrescenta o texto. “Por isso, além de agradecer o apoio de todos para tirá-lo da prisão, pedimos sinceras desculpas.”

Por fim, eles declaram que não se envolverão mais no caso e não responderão a outros questionamentos da imprensa. “Tudo que tínhamos que dizer já foi dito, e deste momento em diante só quem responde pelo Jonatan é ele próprio. Obrigado, de coração, a todos que nos ajudaram a superar este episódio. Esperamos que Jonatan possa entender e encontrar o melhor caminho para suas ações sociais”.