ECONOMIA

Foco de fabricantes no mercado nordestino Maior consumidora de smartphones intermediários do Brasil, a região representa 25% do mercado

THATIANA PIMENTEL
thatiana.pimentel@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 20/03/2017 03:00

 (JARBAS/DP)
Aparelhos com preços intermediários (até R$ 1,6 mil), bom acabamento (alumínio ou metal), tela grande, câmara frontal potente (para selfies) e baterias de carregamento rápido e longa duração. Esses são os principais pontos na lista de preferência dos consumidores nordestinos na hora de comprar um smarphone. Com uma participação de cerca de 20% e um crescimento de consumo na média dos 10% ao ano, esses “clientes” estão definindo o posicionamento das grandes marcas no Brasil e já são maior público consumidor dos midi (intermediários).

Empresas como Samsung, Motorola e LG estão hoje focadas em agradar o público nordestino, tanto é que o Recife, por sua localização privilegiada na região, tornou-se a segunda praça de lançamentos no Brasil, perdendo apenas para São Paulo.

“Hoje, tirando o estado de São Paulo, nosso maior mercado é o Nordeste, que chega a representar 25% das nossas vendas”, revela José Cardoso, diretor-geral de negócios da Motorola. Segundo o executivo, que esteve na última semana na capita pernambucana para o lançamento do  G5 (R$ 999) e G5 Plus (R$ 1.499), a capital do estado e a região Nordeste já estão entre as prioridades da empresa desde 2016. “Tivemos um crescimento de 20% nas vendas no Nordeste em 2016. Isso nos fez perceber que o consumidor da região busca justamente o que oferecemos, smartphones de alto padrão por preços baixos”, avalia. Por isso, o investimento em divulgação (não informado) e o lançamento com festa exclusiva para formadores de opinião do Recife. Como reflexo, Cardoso espera crescer novamente 20% nas vendas deste ano na região.

Renato Citrini, gerente de dispositivos móveis da Samsung Brasil, confirma que a região é um dos focos da atuação da empresa no país e ressalta que, além de grandes varejistas, muitos pequenos negócios do Nordeste apresentam boas vendas para a empresa. “Na faixa dos R$ 800 aos R$ 1 mil, os consumidores nordestinos se destacam”, reforça. Ele ressalta que a linha Galaxy A e família J têm tido boa aceitação na região. “Trabalhamos numa tela maior e numa câmara frontal potente, com flash, porque o nordestino adora selfies”, ressalta. A faixa intermediária, ou midi, na LG, varia de R$ 699 a R$ 1.499 com a família K e também está tendo destaque no Nordeste, que representa

20% de todos os produtos consumidos da empresa. Tanto que, em fevereiro, a gerente de marketing da LG, Barbara Fonseca, veio ao Recife lançar os modelos LG K10 Pro, LG K10 Power, LG K10 Novo, LG K8 Novo e LG K4 Novo, todos com câmera frontal grande ocular. “Notamos que, a cada um ano, os consumidores fazem um upgrade e, no Nordeste, temos os clientes entrando nas linhas midi e os clientes nas linhas premium. Ambos são públicos potenciais”, explica.

Barbara Fonseca argumenta ainda sobre o tamanho da tela. Para ela, os nordestinos querem celulares maiores porque eles substituem os tablets pelos smartphones. “Hoje, o nosso cliente quer fazer tudo, assistir filme, baixar séries, mandar mensagens, tudo num mesmo aparelho. Os tablets estão em queda”, completa. Para ela, as vendas continuarão prósperas na região. “Temos muito o que crescer aqui.”