ECONOMIA

Setor metalmecânico começa a se reerguer A retomada das obras da Refinaria Abreu e Lima é incentivo à atividade em Pernambuco

ROCHELLI DANTAS
rochelli.dantas@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 21/04/2017 03:00

Apesar de ainda fragilizada, a indústria de metalmecânica começa a dar sinais de reação em Pernambuco. O indício mais forte está nas aprovações da última reunião do Conselho Estadual de Políticas Industrial, Comercial e de Serviços (Condic), quando foram aprovados seis projetos do setor. Juntos, os projetos, que atuarão nas áreas de siderurgia, fabricação de máquinas, de aparelhos eletrônicos e acessórios para banheiros, somam R$ 97 milhões.

“Em Pernambuco, os principais clientes das empresas de metalmecânica sempre foram os estaleiros e a Refinaria Abreu e Lima. Todos esses projetos foram bastante afetados pela crise econômica e pelas investigações de corrupção. Agora, as expectativas são positivas. Fala-se da retomada da Refinaria Abreu e Lima e de novas encomendas dos estaleiros. São outros sinais, além das novas indústrias, que mostram que está havendo uma reação”, afirmou o secretário executivo do Sindicato da Indústria Metalmecânica e Eletroeletrônica de Pernambuco (Simmepe), Girley Brazileiro.

No furacão da crise econômica que desacelerou os investimentos no Brasil, a indústria metalmecânica foi uma das mais afetadas. Entre 2014 e 2016, o setor de metalurgia demitiu cerca de 12 mil trabalhadores em Pernambuco. Só em 2015, quando a crise se agravou, foram eliminados 76 mil postos de trabalho em todo o país, pelos dados do IBGE. Atualmente as estimativas apontam que o setor emprega cerca de 30 mil trabalhadores em Pernambuco.

“Projetos anunciados recentemente mostram a intenção de retomada. Ninguém vai trazer novos projetos ao estado sem fazer pesquisa de mercado. O que torcemos é que os projetos se tornem realidade porque representa uma retomada”, pontuou Brazileiro.

A retomada da construção da Refinaria Abreu e Lima (Rnest) foi anunciada no final de março pela Petrobras. A entrada em operação da unidade SNOX (cuja construção havia sido suspensa) está planejada para junho de 2018, o que permitirá o funcionamento do primeiro trem da refinaria a plena carga. O contrato para o fornecimento de bens e a prestação de serviços foi assinado em 16 de março, com a Qualiman Engenharia e Montagens. Para a etapa, o que se espera é a convocação de cerca de 800 funcionários.

“Representantes da Qualiman realizaram um primeiro contato e informaram que iniciariam um levantamento para verificar qual a mão de obra necessária. A partir daí, as seleções serão realizadas. A expectativa é de que as contratações só aconteçam no final de maio”, afirmou o coordenador de fiscalização do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Pesada de Pernambuco (Sintepav-PE), Leodelson Bastos.