ECONOMIA

ECONOMIA » Empresários e sindicalistas criticam

Publicação: 13/09/2017 03:00

Empresários e sindicalistas criticaram ontem a política econômica do governo durante reunião aberta no Planalto com a presença do presidente Michel Temer e do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Chamados ao palco pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, 10 líderes empresariais e sindicais apontaram problemas na condução da economia, como baixa geração de empregos, falta de crédito, ausência de investimentos, negociação de débitos tributários e burocracia.

As reclamações foram reunidas em um documento e entregues a Temer. “O BNDES precisa aplicar o máximo e temos um problema, porque há dificuldades com os agentes. Se não houver a disposição e boa vontade dos agentes, fica tudo engessado”, afirmou Skaf. O presidente da Fiesp ainda afirmou que é a favor de um “meio termo” na proposta do novo Refis, que ainda está em debate entre a equipe econômica e o Congresso. “Nós queremos um meio-termo da proposta do Refis, nem o que o governo apresentou nem o que o relator sugeriu”, disse.

O deputado federal e presidente da Força Sindical Paulinho da Força (Solidariedade) afirmou que a economia começa a dar “alguns sinais de crescimento”. “Mas é preciso mais. Havia um período em que era possível parcelamentos em 90 meses. É necessário retomar isso”, disse. Ele afirmou que Meirelles “deveria se encarregar da questão dos juros”.

O presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Ricardo Patah, também citou Meirelles em seu discurso. “Meirelles é meu amigo, você sabe disso, não é?”, disse, provocando risadas. Nessa hora, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, (PMDB-CE) fez gesto de mais ou menos com a mão.