ECONOMIA

Ilan: crescimento não sai prejudicado

Publicação: 11/01/2018 03:00

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse que a volta da inflação para a meta de 4,5% em 2018 está relacionado com a retomada da economia e o crescimento do emprego. “Para nós é normal haver essa volta porque ela está associada ao crescimento. Ela não atrapalha o crescimento da economia, mas está associada a ele”, respondeu.

O presidente do BC citou que houve reação dos preços dos alimentos em dezembro e avaliou que isso mostra por que a autoridade monetária precisa ter cuidado ao reagir a choques de alimentos. “Por isso o BC deve deixar os preços de alimentos caírem ou subirem, e controlar o resto dos preços”, explicou.

Questionado se o BC não demorou a cortar os juros, já que a inflação se mostrou mais baixa que o piso da meta, Goldfajn argumentou que a atuação mais conservadora da autoridade monetária no início do ciclo de queda da Selic permitiu a queda no IPCA. “Devido à firmeza da política monetária é que a inflação caiu. Não houve atraso na redução de juros”, rebateu.

Goldfajn reforçou que inflação baixa é algo bom e que o objetivo é manter a inflação baixa neste e nos próximos anos. “Inflação baixa é bom, e não tem nada de errado nisso. Vamos comemorar a queda da inflação e trabalhar para mantê-la baixa”, afirmou.

Questionado sobre o fato de a inflação de dezembro ter sido maior que a esperada pelo BC, Goldfajn afirmou que os preços de alimentos e gasolina serão mais voláteis mês a mês. “Vamos olhar qual será a tendência da inflação daqui para frente”, respondeu. (AE)