ECONOMIA

Injeção financeira na adutora Ministério da Integração Nacional garantiu o empenho de mais R$ 70 milhões necessários para dar celeridade à obra hídrica em Pernambuco

Rosália Rangel
rosalia.rangel@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 17/05/2018 03:00

A Adutora do Agreste vai ganhar mais um reforço financeiro para manter a celeridade da obra. Ontem, o ministro da Integração Nacional, Antônio de Pádua, garantiu ao governador Paulo Câmara (PSB), durante reunião em Brasília, o empenho de R$ 70 milhões para manter o andamento do projeto. Segundo o presidente da Compesa, Roberto Tavares, o valor faz parte do total de R$ 150 milhões previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA) da União destinado à adutora. A primeira parte dos recursos (R$ 80 milhões) já havia sido garantido pelo ex-ministro da pasta Hélder Barbalho, em uma audiência realizada em 25 de abril último.

“Com a garantia dada pelo ministro, nós fechamos em 100% os recursos que estavam empenhados na LOA para 2018”, frisou o presidente da Compesa. Tavares disse, ainda, que Antônio de Pádua prometeu se reunir com os técnicos da Secretaria da Fazenda para liberar, até o final de maio, valores em torno de R$ 30 a R$ 40 milhões. “É dinheiro que vai cair na conta e nos permitir concluir as obras da Adutora do Moxotó, que vai entrar em pré-teste de operação em junho”. O sistema liga a Transposição do Rio São Francisco à Adutora do Agreste.

Os recursos também vão servir, de acordo com Roberto Tavares, para abrir novas frentes de trabalho nos municípios do Brejo da Madre de Deus, São Bento do Una e Lajedo, além de acelerar os serviços nas demais 30 frentes de trabalho da adutora. Durante a reunião, o ministro Antônio de Pádua  informou a Paulo Câmara ter dado a ordem de serviço para o início da obra do Ramal do Agreste, projeto que vai ligar com toda vazão da Transposição com a Adutora do Agreste.

Do total de R$ 1,2 bilhão de repasse do governo federal destinado ao reservatório, já foram liberados R$ 800 milhões. “Temos agora R$ 150 milhões empenhados e a perspectiva de receber, até o fim de maio, cerca de R$ 30 a R$ 40 milhões”, complementou Tavares. No encontro, o governador também pediu ao ministro da Integração a liberação de R$ 117 milhões para obras de reconstrução da infraestrutura dos municípios atingidos pelas chuvas de 2017 e mais R$ 27 milhões para a implantação da geomanta nas áreas de morro da região. “O ministro, por meio da Defesa Civil Nacional, ficou de encontrar uma forma de viabilizar os recursos. O presidente Michel Temer, que esteve em Pernambuco após as chuvas de 2017, tem consciência da importância dessas obras de prevenção”, afirmou o governador.

O socialista também esteve com o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, para discutir projetos de interesse do estado nas áreas de saneamento e habitação. Na audiência, ele recebeu a notícia de que parte do projeto de saneamento do município do Paulista estava em processo de cancelamento, porque, na gestão anterior do ministério, de um contrato de R$ 446 milhões, apenas R$ 40 milhões tinham sido empenhados, colocando em risco os R$ 400 milhões restantes do convênio original.