MUNDO

Revolta: palestinos convocam 'três dias de fúria'

Publicação: 07/12/2017 03:00

O traslado da embaixada dos Estados Unidos provavelmente demorará anos para ser implementado, mas as repercussões da decisão de Trump chegaram a preceder o anúncio.

Centenas de palestinos queimaram bandeiras norte-americanas e israelenses e fotos de Trump na Faixa de Gaza, enquanto houve confrontos relativamente pequenos perto da cidade de Hebron na Cisjordânia. Os palestinos convocaram três dias de protestos, ou “dias de fúria”.

Os funcionários do governo norte-americano e suas famílias foram aconselhados a evitar a Cidade Velha de Jerusalém e a Cisjordânia, embora a situação tenha ficado mais calma até o discurso de Trump.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, convocou uma cúpula da Organização de Cooperação Islâmica (OIC), o principal organismo pan-islâmico, em Istambul na semana que vem, para tomar uma ação conjunta. A Jordânia e os palestinos também pediram uma reunião de emergência da Liga Árabe.

A maioria da comunidade internacional não reconhece formalmente Jerusalém como a capital de Israel, insistindo que esse tema apenas pode ser resolvido durante as negociações, um ponto reiterado pelo secretário-geral da ONU, António Guterres, após a decisão de Trump. Guterres implicitamente criticou Trump, enfatizando sua oposição a “qualquer medida unilateral que ponha em risco a perspectiva de paz”. (AFP)