MUNDO

ACORDO DE PARIS » Trump cogita voltar atrás

Publicação: 11/01/2018 03:00

O presidente norte-americano, Donald Trump, considerou ontem “concebível” que seu país “retorne” ao Acordo de Paris sobre mudanças climáticas, embora tenha reiterado que o pacto é “muito injusto com os Estados Unidos”. “Seria concebível que retornemos (ao acordo). (...) O acordo de Paris realmente eliminou nossa vantagem competitiva. E eu não vou permitir que isto ocorra”, disse Trump em coletiva de imprensa conjunta com a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg.

De acordo com o presidente norte-americano, o acordo alcançado em Paris “nos penalizava muito. Ficou muito difícil para nós negociar do ponto de vista dos negócios. Tirou muitos de nossos recursos mais valiosos”. Os Estados Unidos, destacou, são “um país rico em gás e carvão e petróleo e muitas outras coisas. O acordo impôs enormes sanções ao que usamos. Feriu nossos negócios”.

O Acordo de Paris é um consenso global, firmado na capital francesa em 2015, que estabelece metas de redução de emissões de gases de efeito estufa para combater o aquecimento global. Em junho do ano passado, Trump sacudiu o mundo, ao anunciar a saída dos Estados Unidos deste acordo, apesar de uma onda de apelos por sua permanência. “Temos uma posição muito forte a favor do meio ambiente. Posso dizer que pelo menos eu tenho uma posição muito forte”, disse Trump, embora tenha acrescentado que também quer “negócios e empresas que possam competir”.

Polêmica
O presidente Donald Trump propôs nesta quarta-feira modificar a atual legislação sobre difamação, em razão do livro que mostra a Casa Branca imersa no caos sob sua administração. “Vamos olhar muito seriamente as leis de difamação em nosso país", disse o presidente ao final de uma reunião com seu gabinete para discutir o primeiro ano de governo e os planos para o futuro. Para Trump, as leis devem ser modificadas de forma que “quando alguém diz algo que é falso e difamatório sobre uma pessoa, esta terá a capacidade de recorrer à justiça”.