POLÍTICA

Alemanha quer firmar parcerias com o estado Embaixador conversou ontem com o governador Paulo Câmara sobre cooperação científica

JÚLIA SCHIAFFARINO
julia.schiaffarino@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 25/01/2017 03:00

Georg Witschel conversou com o governador sobre energias eólica e solar no estado (ANDERSON FREIRE/ESP.DP)
Georg Witschel conversou com o governador sobre energias eólica e solar no estado

Em passagem por Pernambuco, o embaixador alemão Georg Witschel esteve reunido ontem com o governador Paulo Câmara. Na ocasião, falou sobre a promoção de cooperações científicas entre a Alemanha e o Brasil, incluindo caminhos para aporte de investimentos principalmente nas áreas de bioeconomia, energias renováveis, pesquisa e preservação marítima e da região do São Francisco.

“Falamos sobre cooperação no meio ambiente, luta contra as mudanças do clima e de termos uma central elétrica fotovoltaica. Hoje temos três ou quatro empresas alemãs (em Pernambuco) e esperamos atrair mais empresas de energia eólica e solar, de transporte e médicas”, comentou o embaixador após o encontro, que durou uma hora e meia. Essa é a primeira visita oficial dele ao Nordeste desde que assumiu o cargo, no ano passado.

Os alemães se destacam mundialmente em políticas climáticas, sendo pioneiros na promoção de energias alternativas, principalmente a solar e a eólica. “O Nordeste tem atrativos para as companhias alemãs, e Pernambuco é um estado que tem um tamanho, talvez, de dez estados na Europa. Com a seca, o Rio São Francisco tem um nível (de água) muito baixo e é preciso desenvolver a energia solar e eólica, e isso é interessante para as companhias alemãs, sobretudo a eólica”, reforçou Witschel. Pouco depois, acrescentou: “Existe um potencial enorme aqui e uma necessidade enorme”. Ao falar do São Francisco, porém, classificou a situação como “uma catástrofe ecológica” e, durante a conversa com o governador Paulo Câmara, discutiu caminhos para um projeto de reflorestamento como forma de contornar isso.

O embaixador também falou da infraestrutura e localização do estado como pontos atrativos ao investimento alemão. A infraestrutura é interessante com o Porto de Suape. Nesse sentido, o embaixador buscou diálogo para a intensificação na cooperação com empresas de médio e pequeno porte. O intercâmbio estudantil também esteve presente na conversa. Witschel sugeriu o ensino de alemão a alunos pernambucanos e a abertura de caminhos para um envio de estudantes ao país através de programas como o Ganhe o Mundo.

O embaixador fica no estado até o dia 25 e ainda fará uma visita ao Porto Digital. Witschel também visitará o Centro de Pesquisas Fiocruz-Pernambuco, a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), a Universidade de Pernambuco (UPE) e o Complexo Portuário e Industrial de Suape.