POLÍTICA

Coronel deixa a prisão

Publicação: 14/11/2017 03:00

Waldemir José Vasconcelos de Araújo, um dos coronéis presos temporariamente na Operação Torrentes, da Polícia Federal, conseguiu habeas corpus neste final de semana. Em compensação, outros cinco investigados não obtiveram êxito nos pedidos à Justiça: o secretário-executivo de Defesa Civil, coronel Fábio de Alcântara Rosendo; o gerente-geral de Esportes e Lazer da Secretaria de Turismo, coronel Roberto Gomes Filho; o empresário Antônio Manoel de Andrade Júnior; e a empresária Roseane Santos de Andrade, esses dois últimos supostamente ligados a fraudes no ano de 2017.  A esposa do empresário Ricardo Padilha, Rafaela Carrazone, permanece em prisão temporária. Os coronéis Fábio e Roberto Gomes solicitaram o pedido de extensão da liberdade provisória, mas o desembargador responsável pelo plantão judiciário, Carlos Rebêlo, negou, e o desembargador Fernando Braga, do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), endossou.
Já no caso de Rafaela, Fernando Braga entendeu que os elementos trazidos pela Operação Torrentes revelam que a acusada, junto com seu marido, dissimulava a titularidade de empresas e desviava recursos públicos mediante contratações que não respeitavam as regras de licitação. “É de se admitir, também, que a investigada, sabendo, ou, ao menos, suspeitando, de que estava sob investigação, prosseguia com as referidas práticas”, declarou o magistrado.
A decisão sobre Waldemir Araújo, único coronel beneficiado com a liberdade, também foi determinada por Fernando Braga. Para o magistrado, os áudios mostram que o investigado não tem poder de interferir nas investigações, até mesmo porque ele já era servidor exonerado da Casa Militar.  ( Aline Moura)