POLÍTICA

'Vem cá, companheiro', diz Lula aos 'paneleiros' Ex-presidente acredita que os apoiadores do impeachment de Dilma devem "estar arrependidos"

Publicação: 07/12/2017 03:00

Prevendo turbulência em 2018, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem que estenderá as mãos àqueles que se manifestaram pelo afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff. Segundo Lula, os apoiadores do impeachment devem estar arrependidos. “Aqueles que foram bater panela, aqueles que foram para as ruas apoiar o golpe, não têm mais panela para bater. Estão batendo a cabeça na parede de arrependimento. Não vamos tratá-los com indiferença. Vamos estender a mão e dizer ‘vem para cá, companheiro’”, afirmou Lula, acrescentando que “é sempre tempo para a gente aprender”.

Ao discursar para alunos do Instituto Federal, na cidade de Campos dos Goytacazes (RJ), Lula afirmou que os defensores do ajuste fiscal “estão falando um monte de merda”. Ele fez a afirmação ao pregar investimentos na saúde em detrimento de cortes do governo Temer. “Eles vão falando um monte de merda. E tem gente acreditando. Tudo se deve ao ajuste fiscal.” Na terceira etapa da versão 2017 de sua caravana, Lula disse que recomendou aos alunos. “Se preparem. 2018 será um ano turbulento”.

Antes da chegada de Lula ao instituto, houve um confronto entre um manifestante e um integrante da comitiva petista. Usando coturno e vestido de preto, um rapaz começou a filmar com celular os apoiadores de Lula. Vestindo uniforme laranja, em apoio à Petrobras, o militante petista arrancou-lhe o celular.

O rapaz agarrou o petista pela cintura, o levantou e jogou ao chão. A polícia interveio e mobilizou o manifestante, que, na queda, machucou a testa.

As questões de gênero e raça ganharam espaço no discurso do ex-presidente Lula no segundo dia de sua caravana no Rio de Janeiro. “Tem muita mulher que vive apanhando do marido porque depende do cara pra comer. E não é só pobre não, rico também. Agora, uma mulher independente, quando estiver de saco cheio do cara, abre a porta e manda ele embora”, disse, ao falar sobre educação e direitos das mulheres.

Lula também lembrou da importância da Lei Maria da Penha, que sancionou durante seu governo. “O safado que bater numa mulher tem que pagar, para isso fizemos a lei. A mão é pra trabalhar e fazer carinho, não pra bater em mulher”, afirmou o ex-presidente. (Folhapress e AE)