Dorany: 'Um construtor de pontes' da política Um dos fundadores do MDB em Pernambuco, ex-deputado faleceu, ontem, aos 91 anos, em sua casa

Publicação: 14/03/2018 03:00

Presidente do Movimento Democrático Brasileiro (MDB) por 27 anos (entre 1988 e 2015) e um dos fundadores da legenda no estado, o advogado e ex-deputado Dorany Sampaio faleceu ontem aos 91 anos em casa, após passar uma semana internado no Hospital Português. O velório e cerimônia de cremação aconteceram no Cemitério Morada da Paz, em Paulista. Ao longo da vida pública, Dorany teve como marca a capacidade do diálogo e a gentileza no trato com as pessoas. No dia a dia usava sempre a palavra amigo (a) para se dirigir a todos.

Cassado pela ditadura militar, por não abrir mão de seus ideais, Dorany teve o mandato de deputado restituído de forma simbólica em 2012. Referência na política local e nacional, o emedebista foi um exponente de sua geração, um símbolo da luta democrática do país. A direção nacional da legenda, em nota, destacou seu papel de relevância à frente do partido, ressaltando que o político foi um homem à frente de seu tempo.

“Sua força e coragem demonstradas no enfrentamento à ditadura militar e sua vitalidade enquanto líder político continuarão servindo de exemplo para todos os emedebistas que admiram de perto ou de longe sua trajetória nas últimas décadas”, destacou o MDB nacional.

A última aparição pública de Dorany ocorreu em setembro do ano passado, durante ato de desagravo, organizado pelos amigos do deputado federal Jarbas Vasconcelos (MDB) e do vice-governador Raul Henry (MDB). O evento ocorreu por conta da tentativa do MDB nacional de passar o controle da legenda no estado para as mãos do senador Fernando Bezerra (MDB). Dorany deixa mulher, Lisete Valadares, 7 filhos, netos e bisnetos. Segundo o escritor e amigo da família, Chico de Assis, Dorany estava debilitado e vinha enfrentando problemas de saúde por causa da idade avançada.

Família
No fim da tarde, com a distinção de um líder, elerecebeu o adeus de familiares, amigos e admiradores, ontem, no Cemitério Morada da Paz. Homenagem à altura da exata definição de “um construtor de pontes”, como afirmou o filho de Dorany, Bruno Sampaio.

“E esse é o grande legado dele”, pontuou Bruno. “Para nós da família, realmente é muito difícil. Mas resta o consolo do exemplo. Ele formou a família toda nesse modelo que foi deixado também na política: de que ele não fez inimigos e nem adversários, mas sempre foi tratado com muito respeito e sempre os tratou com muito respeito”, concluiu.

Para o jurista José Paulo Cavalcanti Filho, Dorany “contrasta com os exemplo que se vê - hoje - em Brasília”. “Começou a vida como oposição à ditadura e pagou o preço de ser cassado. Depois foi sempre correto na vida pública. E hoje fica cada vez mais raro, o exemplo de correção”, disse. (Cláudia Eloi e Leonardo Malafaia)

“Dorany teve uma história de vida ligada à luta democrática e combate ao autoritarismo. No retorno à normalidade democrática, ocupou importantes funções públicas. Quero expressar minha solidariedade”
Paulo Câmara, Governador de Pernambuco

“Pernambuco acorda de luto com a notícia do falecimento de Dorany Sampaio. Um democrata e humanista que foi cassado pela ditadura militar por não abrir mão desses ideais”
Geraldo Julio, Prefeito do Recife

“Fez parte de uma geração de políticos pernambucanos que deixou um legado e ensinamentos de uma atuação política ética, séria e combativa. Desejo o conforto daqueles que ganharam um exemplo de homem público”
Raul Jungmann, Ministro da Segurança Pública

“Dorany Sampaio exerceu um papel relevante no período da ditadura e ao longo dos anos seguintes. Foi uma liderança dentro do MDB que sempre soube ouvir e conduzir de forma ampla e democrática o partido”.
Jarbas Vasconcelos (MDB), Deputado federal

A trajetória
  • 1951 - forma-se em direito pela Faculdade de Direito do Recife
  • 1963 - nomeado diretor-geral do Departamento de Administração do Ministério da Agricultura, cujo titular era o pernambucano Osvaldo Lima Filho, ocupando esse cargo até o ano seguinte
  • 1966 - elegeu-se deputado estadual pelo Movimento Democrático Brasileiro
  • 1968 - teve os direitos políticos suspensos e foi cassado
  • 1975 - torna-se conselheiro da seção pernambucana da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), vindo a integrar a comissão de ética e de disciplina no biênio 1975-1977
  • 1977 - eleito vice-presidente da OAB-PE
  • 1979 - chega à presidência da instituição
  • 1985 - assume a diretoria de crédito à infraestrutura do Banco do Nordeste do Brasil (BNB), na qual permaneceu até fevereiro de 1986
  • 1986 - empossado na Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), onde ficou até agosto de 1987
  • 1987 - assume a presidência do PMDB pernambucano e voltou a advogar ficando na presidência até 2015
  • 1993 - assume a Secretaria de Assuntos Jurídicos da Prefeitura de Recife, na gestão de Jarbas Vasconcelos, e continuou no começo da gestão de Roberto Magalhães.
  • 1999 - torna-se secretário de Governo na gestão do governador Jarbas Vasconcelos, ficando à frente da secretaria até 2002.
  • 2003 - assume a chefia da Assessoria Especial do governador, ficando até o fim do governo de Mendonça Filho.