POLÍTICA

Diario político

por Marisa Gibson
marisa.gibson@diariodepernambuco.com.br
diariodepernambuco.com.br

Publicação: 16/05/2018 03:00

Projetos e vacilos  
 
Caso o PT tivesse assumido e trabalhado a candidatura da vereadora  Marília Arraes ao governo de Pernambuco, a sucessão estadual teria hoje uma outra feição. Embora não se saiba o que a petista defende ou propõe, o seu nome é a novidade da campanha, algo que o grupo das oposições não conseguiu mostrar. Sem um articulador politico consistente capaz de criar um ambiente atrativo que agregasse, o grupo que nasceu do movimento Pernambuco  quer Mudar desistiu das duas candidaturas e definhou. No próximo domingo, Marilia promete um grande  ato politico, no Clube Internacional, em defesa de sua candidatura e contra uma aliança com o PSB, como desejam setores do PT. No dia seguinte, segunda-feira, a oposição deve anunciar oficialmente  o nome do candidato a governador, o senador Armando Monteiro Neto (PTB), o que não é mais uma novidade. Diante dessas condições, a candidatura  do governador Paulo Câmara (PSB) à reeleição apresenta uma boa avaliação “mas a situação não está resolvida”, como analisa um graduado integrante da Frente Popular. Preocupado em evitar que Pernambuco tivesse um desequilíbrio fiscal, Paulo dedicou-se com afinco à questão financeira, mas andou devagar em relação a outras questões, e assim “chegou vivo ao final do governo, mas não está bombando”. Moral da história: o imponderável está solto por aí.
 
Jarbas e Alckmin
O cenário político atual e as eleições de outubro foram a pauta de um jantar reservado entre o pré-candidato à Presidência da República, Geraldo Alckmin (PSDB), e o deputado federal Jarbas Vasconcelos (MDB). O encontro ocorreu na última segunda, na capital paulista. O vice-governador de Pernambuco e presidente estadual do MDB, Raul Henry, participou da conversa. Jarbas, candidato ao Senado na chapa do governador Paulo Câmara (PSB) que concorre à reeleição, declarou seu voto a favor do presidenciável tucano, no ano passado, durante participação de Alckmin de evento do Lide/Fiepe, no Recife. Naquela ocasião, Paulo demonstrava simpatia pela candidatura do tucano, mas agora, o nome da vez é Ciro Gomes, do PDT.

Rearrumação  
Antes de Ciro, o PSB tentou a candidatura do ex-presidente do STFJoaquim Barbosa (PSB)  e, pelo visto, não será fácil unir o partido em torno do presidenciável cearense. Como o PSB tem dificuldades em praticamente todas as regiões, há quem aconselhe que o melhor seria liberar os estados para apoiar quem quisesse e, depois das eleições, tentar se rearrumar.

No rastro  
Pré-candidato à Presidência da República pelo PSol e coordenador nacional do Movimento das Trabalhadoras e Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, cumpre agenda hoje no Recife. A visita acontece no rastro da repercussão positiva da entrevista que o presidenciável concedeu ao Roda Viva, programa da TV Cultura.

Desertificação
Boulos participa de audiência pública na Assembleia Legislativa sobre desertificação no Semiárido em Pernambuco, na Comissão de Cidadania, Direitos Humanos e Participação Popular da Casa, presidida pelo deputado Edilson Silva (PSol), autor da convocação da audiência.

Paciência  
Além da indefinição do cenário nacional, que exige muita paciência das lideranças políticas, a Copa do Mundo já se instalou e vai até meados de julho, quando começam as convenções partidárias. “Até lá, é preciso agir com cautela, não destruir pontos e arrumar os palanques estaduais”, avalia uma liderança da Frente Popular.

Fazendo as contas  
Em contraponto ao discurso oficial de que a paralisação de obras se deu em reflexo à crise financeira e à diminuição dos repasses federais, a deputada estadual Priscila Krause (DEM) apresentou relatório listando 29 convênios com R$ 298,2 milhões em caixa à disposição do estado, mas sem ações práticas: “A navegabilidade do Capibaribe teve R$ 9,3 milhões liberados em dezembro passado. A conta do convênio tem R$ 18,0 milhões bulindo.”