SUPERESPORTES

A rotina de mudanças no comando A última temporada em que o Náutico não mudou de treinador foi em 2004. Desde lá, a média é de 3 trocas por ano. Beto Campos é o quarto de 2017

Rafael Brasileiro
rafael.brasileiro@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 19/06/2017 03:00

Será que o torcedor do Náutico lembra qual foi a última vez que o Timbu teve o mesmo treinador durante uma temporada inteira? É preciso viajar no tempo. Muito. Há 13 anos, mesmo período que o clube não ganha um título, o Alvirrubro não termina o ano com o técnico que começou a temporada. O último a conseguir tal feito foi Zé Teodoro, que comandou 51 jogos e foi o último a ser campeão, feito alcançado no Estadual.

Entre a saída dele e a chegada de Beto Campos, que assume o clube oficialmente hoje, são 38 mudanças de treinador no Timbu. Um número elástico, que gera uma média de quase três técnicos por ano. Estatística alimentada por situações absurdas, como a observada em 2013. Nessa temporada, marcada pelo rebaixamento do time para a Série B, o Náutico teve seis comandantes: Gallo, Vagner Mancini, Silas, Zé Teodoro, Jorginho e Marcelo Martelotte.

Em 2017, a contagem começa a querer se aproximar da de 2013. Beto Campos será o quarto técnico no clube nesta temporada, em apenas seis meses e meio. Mudanças que refletem no campo. Nesse período, o Timbu teve que lidar com mudanças de táticas, horários de treinamentos e, principalmente, visões dos treinadores.

DIFERENTES
Os perfis dos técnicos que passaram pelo Náutico neste ano são bem diferentes. Dado Cavalcanti chegou com a marca de ser um técnico estudioso, que procurava inovar, algo que não deu certo. O seu sucessor, Milton Cruz, era um treinador mais calado, que gostava de observar e colocar os atletas nas posições que eles mais gostavam de atuar. Foi o que deu mais resultados até o momento. Tanto que a sua saída foi motivada por questões salariais, pela reestruturação financeira do Timbu.

Depois de Milton, veio Waldemar Lemos. Com um estilo mais “paizão”, veio para atender um chamado da diretoria, que acreditava que o seu perfil minimizaria os problemas extracampo, possibilitando a obtenção de melhores resultados em campo com um grupo que vinha se formando. Aposta que não rendeu bons frutos. Agora, a missão está nas mãos de Beto Campo.

Mudanças
Os técnicos do Náutico desde o último título Timbu

2005
Heron Ferreira
Mauro Galvão
Roberto Cavalo

2006
Didi Duarte
Roberto Cavalo
Paulo Campos
Hélio dos Anjos

2007
Helio dos Anjos (continuou)
PC Gusmão
Roberto Fernandes

2008
Roberto Fernandes (continuou)
Leandro Machado
Pintado
Roberto Fernandes

2009
Roberto Fernandes (continuou)
Sergio China
Waldemar Lemos
Marcio Bitttencourt
Geninho

2010
Guilherme Macuglia
Alexandre Gallo
Roberto Fernandes

2011
Roberto Fernandes (continuou)
Waldemar Lemos

2012
Waldemar Lemos
Alexandre Gallo

2013
Alexandre Gallo (continuou)
Vagner Mancini
Silas
Zé Teodoro
Jorginho
Marcelo Martelotte

2014
Lisca
Sidney Morais
Dado Cavalcanti

2015
Moacir Jr.
Lisca
Gilmar Dal Pozzo

2016
Gilmar Dal Pozzo (continuou)
Alexandre Gallo
Givanildo Oliveira

2017
Dado Cavalcanti
Milton Cruz
Waldemar Lemos
Beto Campos