SUPERESPORTES

SANTA CRUZ » A braçadeira segue com Vitor

Rafael Brasileiro
rafael.brasileiro@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 13/01/2018 03:00

O Santa Cruz é um time bem diferente em 2018. Nada de nomes conhecidos da torcida como nas últimas duas temporadas. A equipe, agora, é montada por jogadores jovens ou que procuram espaço no futebol brasileiro. Duas peças se tornam exceção:  Vitor e Grafite. Atletas que o técnico Júnior Rocha já avisou que serão os capitães da equipe, sendo o lateral-direito o dono da braçadeira neste início de temporada.

“Para mim, se eu for capitão ou não, a minha determinação vai ser a mesma. Não muda nada. O que eu tenho que falar como capitão, eu vou falar sem ser capitão do mesmo jeito. Sendo capitão ou não, eu vou ser chato, cobrar de todo mundo e cobrar de mim mesmo”, avisou Vitor.

O técnico Júnior Rocha soube da afirmação do atleta e só exaltou ainda mais o lateral. Garantiu que ele será o seu representante dentro de campo. “O Vitor é humilde demais. É um baita cara. Ele sabe que ele é o capitão da equipe. Ele talvez não queira expor isso agora. Dá para colocar a faixa nos dois? Mas o capitão vai ser o Vítor.”

A experiência de jogador de 35 anos será muito importante não apenas para passar o que já viveu no clube e em campo, mas também para controlar os nervos da equipe. “Tudo é evolução. Vamos ter que subir de degrau em degrau. Não podemos ultrapassar algumas coisas que a gente ainda não consegue fazer. Por isso, pedimos para caprichar no passe e na marcação. Conversando e treinando a gente vai conseguir (chegar onde deseja)”, disse.