Único, último e decisivo clássico Sport e Santa se enfrentam pela segunda e última vez no ano. Duelo vale vaga na semifinal do PE2018

Daniel Leal e Yuri de Lira
esportes.pe@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 14/03/2018 03:00

O Sport tem a vantagem de jogar em casa. O Santa Cruz, uma invencibilidade de dez jogos. O Leão tem mais qualidade técnica. A Cobra Coral, mais organização tática. Os rubro-negros vêm de uma melhor classificação na primeira fase. Os tricolores vivem um melhor momento geral. Um panorama de equilíbrio há pouco tempo impensável em razão do já tão batido abismo financeiro entre os clubes, atualmente nas Séries A e C nacional, respectivamente. O fato é que, uma semana após empatarem em 1 a 1, os centenários rivais se reencontram novamente às 21h45 de hoje, na Ilha do Retiro. Desta vez, para uma decisão precoce, em jogo único.

Embora vivendo um momento de estabilidade do elenco, com partidas equilibradas, o técnico Júnior Rocha mantém a estratégia de deixar a pressão para o rival. Ressalta o favoritismo do Sport. Sem deixar, porém, de ressaltar que “o Santa Cruz também tem as suas virtudes”. Respeitoso, ressaltou as virtudes rubro-negras citando o peso da volta de Anselmo e de nomes como Marlone, Magrão e Rogério. Sempre fazendo o contraponto, contudo. “Estamos preparados como o Sport também está”, disse.

A postura do treinador Nelsinho Batista é semelhante. A folha salarial maior do Sport, o elenco mais caro, o fato de o Leão estar na elite, o retrospecto melhor que o do rival na primeira fase… Nada disso importa para ele. “Dentro dos 90 minutos, tudo fica para trás. Quem ganhou mais, quem perdeu, quem empatou... Os números só serão lembrados novamente no fim do jogo, com o resultado decretado. É isso que temos passado para os atletas. Não existe o ‘já ganhou’. Temos que respeitar o adversário e impor o nosso ritmo”, frisou o comandante rubro-negro.

Segundo Nelsinho, não há espaço para erros numa partida desta natureza, entre os quais se destaca os de finalização, recorrente nos últimos jogos em seu time. “As duas equipes entram com 50% cada uma de ganhar o jogo. Você aumenta a porcentagem de acordo com seu trabalho, atenção e definição das chances criadas.”

SPORT
O Sport deve ser praticamente o mesmo do último jogo, contra o mesmo Santa Cruz. Após ser poupado naquele 1 a 1 para evitar uma suspensão agora, Anselmo deve voltar no lugar de Pedro Castro. Autor de gol ao entrar no lugar de Índio ainda no primeiro tempo, Thomás pode ser começar como titular, assim como Rogério, que se recuperou de lesão na coxa e está à disposição.

SANTA CRUZ

Avesso a mistérios na escalação, desta vez o técnico Júnior Rocha recorreu à velha tática do futebol para a partida decisiva contra o Sport. Com algumas dúvidas no time, deixou no ar algumas interrogações. As presenças do lateral-esquerdo Ávila e do meio-campista Héricles, que vem sendo utilizado como atacante, não estão certas. O primeiro se recupera de lesão na panturrilha enquanto o segundo vem se queixando de dores no púbis.

FICHA DO JOGO

SPORT

Magrão; Raul Prata, Ronaldo Alves, Léo Ortiz e Sander; Anselmo, Neto Moura, Rogério (Thomás ou Índio) e Marlone; Gabriel e Leandro Pereira. Técnico: Nelsinho Batista.

X

SANTA CRUZ

Tiago Machowski; Vítor, Augusto Silva, Genílson e Henrique Áivla (Paulo Henrique); Jorginho, Luiz Otávio e Daniel Sobralense (Arthur Rezende); Fabinho Alves, Robinho e Héricles (Arthur Rezende). Técnico: Júnior Rocha.

Estádio: Ilha do Retiro (Recife-PE). Horário: 21h45. Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE). Assistentes: Clóvis Amaral (PE) e Ricardo Chianca (PE). Ingressos: R$ 30 (arquibancada frontal), R$ 20 (arquibancada da sede), R$ 15 (arquibancada frontal para sócios e sociais), R$ 10 (arquibancada da sede) e R$ 20 (preço único para a torcida do Santa Cruz).

Policiamento
Mais policiais. Mais segurança?

Com a intenção de aumentar a segurança do Clássico das Multidões, as autoridades anunciaram um aumento do efetivo de policiais para hoje. Serão 845, mais do que o dobro da quantidade na última quarta-feira. Destes, 235 policiais vão cobrir a área interna do estádio. Vale uma ressalva: a atuação truculenta da Polícia Militar foi a principal causa da confusão ocorrida na Ilha do Retiro no último Clássico das Multidões.