ESPANHA » Uma crise às vésperas da estreia da Espanha

Publicação: 14/06/2018 03:00

Faltando apenas dois dias para a estreia da seleção da Espanha na Copa do Mundo, a Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) demitiu ontem o técnico Julen Lopetegui. O surpreendente anúncio foi uma resposta da entidade à decisão do treinador de romper seu contrato unilateralmente com a seleção ao fim do Mundial da Rússia para comandar o time do Real Madrid. “Queremos agradecer a Julen por tudo o que fez. Ele é o grande responsável por estarmos aqui na Rússia. Mas nos vimos na obrigação de dispensar os seus serviços. Desejamos a ele a melhor sorte possível”, declarou o presidente da RFEF, Luis Rubiales. No seu lugar, assumiu Fernando Hierro. A RFEF não revelou informações sobre contrato e duração do vínculo .

O dirigente deixou claro que a causa foi a decisão do treinador de negociar contrato com o Real Madrid sem avisar à entidade. “As negociações aconteceram sem qualquer informação enviada à RFEF. Fomos informados apenas cinco minutos antes do anúncio oficial. Existe um jeito correto de proceder que precisa ser respeitado”, disse o presidente da federação espanhola.

A irritação de Rubiales se deve principalmente à renovação de contrato que a entidade havia acertado recentemente com o treinador. Pelo novo vínculo, oficializado e tornado público no mês passado, Lopetegui comandaria a seleção espanhola até a Eurocopa de 2020. Este contrato, contudo, será rompido unilateralmente por causa do acerto do treinador com o Real Madrid, que estava sem comando desde a inesperada saída de Zinedine Zidane, no dia 31 de maio, ao fim da temporada europeia. Com a decisão, o clube vai pagar a alta multa rescisória do vínculo de Lopetegui com a RFEF.

A decisão de demitir o treinador chama a atenção por causa da proximidade da estreia dos espanhóis na Copa. Os campeões mundiais de 2010 vão entrar em campo às 15h de amanhã, no Fisht Stadium, na cidade de Sochi, para enfrentar a equipe de Portugal.

O anúncio do acerto de Lopetegui com o Real - num contrato de três temporadas - gerou rápida crise dentro da seleção da Espanha. Inicialmente, o grupo rejeitou a saída de Lopetegui. A resistência dos jogadores, liderados por Sergio Ramos, Iniesta e Piqué, atrasou o anúncio da saída do técnico. Rubiales precisou se reunir com os jogadores para acalmar os ânimos e definir a saída de Lopetegui.