LOCAL

Assassinato à luz do dia em praia de Olinda Homem foi morto com 12 tiros - a maioria na cabeça - nas areias de Bairro Novo e outro ficou ferido

Publicação: 20/03/2017 03:00

Crime estaria associado à disputa por tráfico de drogas na região. Banhistas e vendedores ficaram em pânico (Nando Chiappetta/DP)
Crime estaria associado à disputa por tráfico de drogas na região. Banhistas e vendedores ficaram em pânico

Espaço de lazer e um dos cartões-postais de Olinda, a orla da cidade voltou a viver momentos de pânico após um episódio de violência registrado à luz do dia. Por volta do meio-dia de ontem, Flávio José da Silva, de 33 anos, foi morto com 12 tiros - a maior parte disparada contra a cabeça - nas areias da praia de Bairro Novo diante de banhistas, turistas e vendedores da região. Um outro homem chegou a ser baleado. Segundo o major Daniel Pereira, do 1º Batalhão da Polícia Militar (BPM), o motivo do homicídio seria a disputa por tráfico de drogas na área. Informações colhidas junto a testemunhas do crime indicam que dois homens efetuaram disparos. Um deles foi preso em flagrante. O crime ocorreu na frente do antigo quartel do Exército.

Flávio, cujo apelido era “Mapa”, de acordo com a polícia, era o líder de tráfico de quadrilha que atuava em Bultrins, em Olinda. Ele já foi percussionista do grupo de maracatu Nação Pernambuco. Por acusações de envolvimento com comércio de drogas e de participação em assassinatos, o ex-músico havia sido preso em 2003, 2007, 2008 e 2009. Em 2008, Flávio já havia fugido da Penitenciária Agro-Industrial São João, em Itamaracá. Segundo informações repassadas pela política, ele foi acusado de aproximadamente 20 homicídios.

Conhecido como “Buiu”, Cristiano José Vieira Calado, de 29 anos, foi detido em flagrante pelo assassinato. À Polícia Militar, ele teria contado que Flávio o estava ameaçando. “Como em 90% dos casos, a briga é por tráfico de drogas. Ele disse que Flávio teria ido duas vezes na casa dele para matá-lo. Por isso, decidiu hoje matá-lo”, disse o major Daniel Pereira.

Acompanhado de Flávio, Jonathas Thiago Luna de Souza José foi atingido com um tiro na perna e socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento de Tabajara em Olinda e, em seguida, levado ao Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), no bairro do Cordeiro, no Recife. A vítima não tem passagens pela polícia.

O crime ocorreu atrás do ponto de apoio de salva-vidas do Corpo de Bombeiros. Os disparos geraram um clima de tensão no local, que estava com um expressivo número de pessoas. Banhistas e comerciantes correram para o mar ou em direção oposta ao local da execução. À reportagem do Diario, a maior parte dos ambulantes se queixou da falta de segurança na região. “Por aqui, já houve muitos homicídios e ninguém faz nada. Não há policiamento”, se queixou um rapaz, que preferiu não se identificar.

Esse é o segundo crime testemunhado pelo ambulante Manoel Oliveira, de 54 anos, que atua há um tempo no local. “Desta vez, a polícia foi eficiente. Chegou e prendeu um. Só vi um pipoco e saí correndo. Me escondi embaixo da barraca. Um corre-corre. Muita gente foi embora depois disso”, contou o vendedor. De acordo com ele, comerciantes locais tiveram prejuízo. Alguns clientes saíram sem pagar, e os donos da barraca retiraram as cadeiras.

Insegurança
No último dia 29, um homem foi assassinado na orla de Olinda, na altura de do bairro de Casa Caiada, por volta das 16h. Moradores e banhistas entraram em pânico no momento do crime. Uma outra pessoa terminou baleada na confusão, que começou entre um grupo de pessoas que estava em uma barraca. Em meio ao tumulto, um desconhecido voltou ao local e, pouco tempo depois, retornou com uma arma de fogo e começou a disparar. Cleonaldo Santos da Paixão Junior, de 22 anos, morreu no local.