LOCAL

Vida nova para o Chalé do Prata Casarão erguido no século 19 no Parque Dois Irmãos será restaurado e ganhará diferentes funções, incluindo um museu sobre a água

Ana Paula Neiva
aneiva@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 21/04/2017 03:00

Construção que data de 1842 abrigou engenheiros responsáveis pelo manancial (HELDER TAVARES/ESPECIAL PARA O DP)
Construção que data de 1842 abrigou engenheiros responsáveis pelo manancial
Quem entra no Parque de Dois Irmãos e segue em frente logo vê, do lado esquerdo, o Açude do Prata. À margem mais distante do manancial, um antigo casarão decora a paisagem. O Chalé do Prata, como ficou conhecido, foi construído no século 19. Em estilo eclético de influência inglesa, o imóvel passará por uma completa restauração. Os trabalhos devem começar até junho. Após a obra, a área vai servir de sede administrativa da unidade de conservação, abrigará ao Museu da Água, será base da polícia ambiental e terá alojamento para pesquisadores.

A área pertence à Compesa, mas desde setembro de 2014 foi repassada à administração do Parque de Dois Irmãos, vinculado à Secretaria Estadual de Meio Ambiente. A execução será acompanhada pala Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), uma vez que o imóvel é tombado desde 1991. A previsão é que os serviços sejam concluidos em até um ano.

Os trabalhos de restauro estão orçados em R$ 1,8 milhão, com recursos provenientes de compensação ambiental, pagos por empreendimentos que causaram grande impacto no estado. Encravado numa área de mata atlântica, o imóvel encontra-se completamente abandonado. Sem paredes internas, com colunas derrubadas, sem telhado e com pintura pichada, o casarão passará por reforma em etapas. A obra deve começar pelo cercamento do canteiro.

O imóvel tem telhados ornamentados, terraços laterais e piso de madeira nos dois andares. “O piso está todo estragado. O teto também é pouco. Vamos ter que recuperar quase tudo”, explicou o gestor do zoológico, George Rêgo Barros.

A obra já deveria ter começado, mas devido aos trâmites burocráticos houve atrasos. O plano de manejo, instrumento obrigatório que define o tipo de intervenção e atividades que serão desenvolvidas, já foi concluído. “Já registramos o termo de referência para licitação, também a licença ambiental junto à Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH). Falta apenas a licença de construção pela Dircon, que estamos aguardando o trâmite com a Prefeitura do Recife, e a do Corpo de Bombeiros”, explicou.

O casarão está localizado dentro da maior área de preservação urbana do meio ambiente ao norte do Rio São Francisco. O chalé tem 500 metros quadrados de área e está inserido dentro da Unidade de Conservação do Parque de Dois Irmãos, que em 2012 foi ampliada de 387 para 1.161 hectares. O casarão foi erguido em 1842 pela Companhia do Beberibe, responsável pela captação de água do Açude do Prata. O manancial é ponto de captação de maior pureza na Região Metropolitana.