LOCAL

Perícias comprovam que família foi envenenada Ex-namorado de uma das nove vítimas foi preso ao se apresentar para dar depoimento à polícia

Publicação: 18/05/2017 03:00

O principal suspeito de envenenar a ex-namorada e oito pessoas da família dela em Camaragibe, no fim de semana, prestou depoimento e foi detido ontem com base em um mandado de prisão temporária. Jesemiel Hidalgo da Silvia, conhecido como Kiko, 27, teria colocado raticida chumbinho no tempero usado no almoço de Dia das Mães da casa das vítimas. Sua ex-namorada, Débora Regina Belo Soares, 22, que preparou a refeição, passou mal no sábado e foi internada. Sem associar a comida ao problema, as outras vítimas consumiram os alimentos no domingo e também foram socorridas. O gato da família morreu.

Jesemiel, que nega o crime e acusa outro ex-companheiro de Débora, apresentou-se à polícia na terça-feira. Voltou à delegacia ontem para depor e foi preso. Para desvendar o caso, foi montada uma força-tarefa em busca de provas. Os resultados das perícias foram divulgados ontem. “Foram encontrados diversos vestígios nos alimentos e no vômito das vítimas que apontaram para chumbinho. A Polícia Civil já pode afirmar que ele foi o autor do crime”, disse a diretora da Polícia Científica, Sandra Santos. Vestígios de um material preto foram encontrados no tempero.

Segundo a delegada Euricélia Nogueira, todas as vítimas tiveram vômito e dores fortes no hospital. “Tínhamos o indicativo da autoria, mas não a materialidade. Os exames foram feitos e ouvimos os familiares. Todos apontaram o ex-namorado”, afirmou a delegada. Ao todo, 16 pessoas foram ouvidas. “Disseram que o suspeito estava inconformado com o fim da relação e fez ameaças à vítima na presença dos familiares na sexta-feira”, contou. No sábado, Kiko foi à casa da família, onde tentou reatar o namoro e pediu à ex-namorada que colocasse créditos no celular dele. A polícia acredita que ele teve acesso à cozinha da residência.

Quando Débora chegou ao Hospital Miguel Arraes, os médicos suspeitaram de intoxicação. “Uma testemunha próxima a Jesemiel disse que ele chegou a falar sobre o envenenamento”, continuou a investigadora. Ao se apresentar, o suspeito disse que era motorista de caminhão e poderia se esconder em qualquer lugar. Segundo a polícia, as ouvidas denunciaram o comportamento agressivo e, com o resultado das perícias, foi solicitada a prisão temporária. “Ele está tentando criar álibi e culpar o outro ex dela. Ele já está preso, mas não podemos dizer em que local. Responde por tentativa de homicídio contra a família inteira. Nove pessoas foram atingidas e três estão em estado grave”, disse Euricélia.

Débora está entubada na UTI do Hospital da Restauração. Segundo a família, sua mãe pediu que ela apertasse sua mão caso acreditasse que o ex envenenou a família, e o gesto serviu como resposta positiva.