LOCAL

OLHOS » Pernambuco vive surto de conjuntivite

Publicação: 17/05/2018 09:00

Pernambuco vive o maior surto de conjuntivite dos últimos 10 anos, segundo informaram, ontem, as médicas oftalmologistas Edilane Sá e Adriana Góis, que atendem na Emergência do Hospital Altino Ventura. Pelos números apresentados em entrevista coletiva, do início de 2018 até agora já são 37.047 casos confirmados, com 5.599 apenas nos últimos 15 dias, enquanto que no mesmo período de 2017 foram 3.359.

As especialistas asseguraram ainda que a maior surpresa é que dados de janeiro a dezembro de 2017 indicam que, num universo de 150.799 atendimentos, constataram-se 27.281 registros da doença. “Está ficando complicado atender quase mil pessoas, numa emergência, por dia, principalmente quando a nossa capacidade física é para 400. Já chegamos a atender  1,4 mil, o que foi desconfortável. O pior é que os pacientes ficam muito expostos e mais vulneráveis ao contágio”, disse Edilane.

Do total das pessoas atendidas nos últimos meses, 3% foram de outros municípios e estados. Algumas eram turistas. A grande preocupação das autoridades, de acordo com Adriana, é que a conjuntivite é uma doença sazonal, registrando-se os maiores números de casos durante o período escolar  e em épocas festivas, a exemplo do carnaval, quando há uma maior concentração de pessoas num mesmo lugar.

“Começamos a perceber a elevação dos números em novembro do ano passado e alertamos a Secretaria de Saúde do Recife, informando que não tínhamos mais capacidade física nem estrutural para atender tanta gente.  Sem dúvida nenhuma o que estamos vivenciando de janeiro até agora é algo surreal. Felizmente, num primeiro momento , o município adotou medida emergencial, proporcionando o treinamento de  120 médicos que trabalham nas UPAs para que possam participar desse dia a dia tão difícil para todos nós”, disse a médica.   

Os sintomas da conjuntivite não são difíceis de identificar, mas podem confundir as pessoas, principalmente as mães, pois a doença pode afetar crianças e até recém-nascidos. Vale a pena observar, por exemplo, o aumento da sensibilidade à luz, ardor, irritação e secreção nos olhos, lacrimejamento e olhos vermelhos.

Como prevenção, devem-se lavar as mãos com sabão e não levá-las aos olhos. Em casa, não compartilhar toalhas, lenços ou qualquer objeto de uso pessoal.