VIVER

Guitarra silenciada A morte de Chuck Berry - às vésperas de lançar disco solo - deixa de luto o mundo da música e do rock

Fellipe Torres
fellipe.torres@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 20/03/2017 03:00

Novo álbum já tinha nome (Chuck) e seria o primeiro álbum solo desde Rock it, de 1979 (AFP PHOTO / PABLO PORCIUNCULA)
Novo álbum já tinha nome (Chuck) e seria o primeiro álbum solo desde Rock it, de 1979
As guitarras ficaram de luto com a morte de Chuck Berry, aos 90 anos, nos Estados Unidos. Em outubro, Berry havia anunciado para 2017 o novo disco, Chuck (Dualtone Records), primeiro álbum solo depois de Rock it (1979).

Lenda, mito, ícone - palavras assim superlativas são pouco para resumir a trajetória de Charles Edward Anderson Berry, nascido em Saint Louis, em 1926. Basta dizer que Rolling Stones e Beatles beberam naquela fonte. “Copiei todos os acordes que ele já tocou”, revelou certa vez o stone Keith Richards. “Há somente um verdadeiro rei do rock’n’roll. Seu nome é Chuck Berry”, decretou Stevie Wonder.

Não há como falar de rock sem o célebre riff de Johnny B. Goode, composta por Berry em 1955. Não é à toa que essa pauleira circula, literalmente, pelo espaço sideral, levada pela Voyager para Júpiter. Outros clássicos do lendário hitmaker são Roll over Beethoven, Rock and roll music e Sweet little sixteen. Seis de seus hits integram a lista das melhores canções de todos os tempos feita pela revista Rolling Stone.

Com a guitarra Gibson, Berry foi reverenciado por várias gerações do pop. Bruce Springsteen tocou com ele, assim como Eric Clapton e Julian Lennon, o filho de John, entre tantos outros. Quando fez 60 anos, Keith Richards organizou para o ídolo um show nos Estados Unidos, que deu origem ao documentário Hail! hail! rock’n’roll, lançado no Brasil com o título Chuck Berry: o mito do rock.

Chuck não brilhou apenas nos palcos. As canções (mais de 200) embalaram momentos icônicos do cinema. Uma das cenas mais famosas de Pulp fiction (1994), de Quentin Tarantino, traz Uma Thurman e John Travolta dançando ao som de You never can tell.

Na animação Carros (2006), as crianças do século 21 ouviram Route 66, com Chuck e John Mayer. Em De volta para o futuro (1985), Michael J. Fox (Marty) surgiu na tela tocando Johnny B. Goode.

Chuck Berry cravou o primeiro sucesso em 1955, Maybellene. Antes, Muddy Waters o havia levado para a gravadora Chess, que lançou Howlin’ Wolf e Bo Diddley, entre outros mestres da música negra norte-americana. Exímio guitarrista, Berry soube mesclar blues e country para pôr a marca no DNA do rock.

Considerado "bad boy", Chuck chegou a ser preso em 1959 por levar adolescente a uma boate (AFP PHOTO / NOVOVITCH)
Considerado "bad boy", Chuck chegou a ser preso em 1959 por levar adolescente a uma boate
Bad boy, meteu-se em várias encrencas com a polícia. Em 1959, foi condenado à prisão por levar uma garota índia de 14 anos para o clube noturno em Saint Louis. Não declarou rendimentos de shows ao Imposto de Renda e teve problemas com o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos. Acusado de evasão de divisas, foi condenado a cem dias de prisão.

BRASIL
Inspiração para o rock brasileiro, Chuck Berry teve o legado lembrado pelo tecladista Henrique Portugal, da banda Skank. “O que ele tocava o colocou no seleto hall das pessoas que mudaram o mundo para melhor. Uma lenda do rock, ele era o cara. Sua morte é algo que até nos faz pensar como pessoas que ganham eleições ou fizeram tão pouco pelo mundo recebem honrarias fúnebres, enquanto gênios como ele passam pela vida, às vezes, sem o devido reconhecimento. Ele foi para o lado de lá depois de cumprir a sua missão”, lamentou.

+ Reações

“O maior praticante do rock, guitarrista, e o maior compositor de rock puro. É uma perda de um gigante de todos os tempos”, Bruce Springsteen, músico

"Tudo começou com Chuck . Ele inspirou todos nós. O primeiro álbum que comprei foi 'Live at the Tivoli' e nunca fui o mesmo", Rod Stewart, cantor

"Quero agradecer por sua música, que me inspirou. Iluminou nossos anos de adolescência, deu vida aos sonhos”, Mick Jagger, vocalista da Rolling Stones

"Uma de minhas grandes luzes se apagou"., Keith Richards, da Rolling Stones

"Quando tinha 10 anos e sonhava me mudar aos EUA, Chuck Berry era a música de fundo. Abalou o mundo”, Arnold Schwarzenegger, ator e político

"Morreu Chuck Berry. Parte meu coração, mas 90 anos não está mal para o rock and roll. Johnny B. Goode para sempre"., Stephen King, escritor