VIVER

Uma noite no museu Artista visual instalou 20 camas dentro do Mamam e colocou à disposição do público para uma experiência artística. Quem se habilita?

ISABELLE BARROS
isabelle.barros@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 19/06/2017 03:00

O artista visual Daniel Santiago, de 78 anos, traz em si uma inquietude que o leva a uma renovação contínua na expressão criativa. Exímio desenhista, pintor e gravurista, leva uma trajetória que remonta aos anos 1960, mas está longe de ser definível. A curiosidade inesgotável e o interesse pelo uso da tecnologia o levaram a percorrer um caminho singular, que o conduziu à experimentação de várias outras formas de se fazer arte, entre elas o happening e a performance. Na abertura da exposição Daniel Santiago em dois tempos, marcada para as 19h de amanhã no Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães (Mamam), haverá uma amostra disso: a instalação Um sonho de Ezra Pound, que contará com 20 camas no térreo do museu, receberá convidados para passar uma noite por lá.

É a primeira exposição de Daniel Santiago em cinco anos. Na vernissage, os convidados foram orientados a ir de pijama e toda a movimentação do happening será registrada em vídeo para compor, posteriormente, o material da mostra. A roupa de cama dos 20 leitos - fronha, lençol e máscara para dormir - foi feita especialmente para a mostra, com desenhos do artista visual Carlito Person aplicados no tecido a partir de carimbos. “Tive essa ideia pela primeira vez há dez anos. Li em algum lugar que Ezra Pound dizia uma coisa: a verdade está no sonho. Acordados, somos animais à procura de alimentação. Na verdade, não sei se você vai encontrar isso em Ezra Pound”, brinca Daniel, conhecido pela mente afiada e pelo bom humor.

O passado de Daniel também será abordado por meio da reprodução de 20 obras em lambe-lambe, a partir de trabalhos feitos desde o fim dos anos 1960. Elas englobam realizações feitas em outros suportes, como pinturas, registros de performances e de arte feita por computador. “Escolhemos uniformizar a trajetória de Daniel nessa linguagem porque ela tem a ver com a prática dele, de transformar o ‘sagrado’ da pintura para entrar em outros âmbitos de circulação. A brincadeira marca a produção do artista e esse é um dos sentidos mais providenciais da arte”, aponta a curadora da mostra, Joana D’Arc de Souza. Também serão expostas capas de livro realizadas por ele.

Mostra paralela

BELA AURORA DO RECIFE

O artista visual Wilton de Souza também vai expor obras nos andares superiores do Mamam, com a mostra Bela aurora do Recife. Integrante de movimentos como a Sociedade de Arte Moderna do Recife e o Ateliê Coletivo, conviveu com nomes como Abelardo da Hora e Corbiniano Lins, além de ter como irmão outro artista, Wellington Virgolino. Serão expostos estudos da época do Ateliê Coletivo, nos anos 1950, além de quadros e da faceta de artista gráfico. O profissional foi um dos responsáveis por várias capas de discos da extinta gravadora Rozenblit. A abertura será amanhã, a partir das 19h.

Serviço

Daniel Santiago em dois tempos
Quando: amanhã, às 19h (abertura). Visitação: De terça a sexta, das 12h às 18h; sábados e domingos, das 13h às 17h - até 13 de agosto
Onde: Museu de Arte Moderna Aloisio Magalhães(Rua da Aurora, 265, Boa Vista)
Quanto: gratuita
Informações: 3355-6871