VIVER

Para embolar de rir Artistas especializadas em arrancar gargalhadas do público se apresentam de hoje a domingo, no Festival internacional de palhaças do Recife

ISABELLE BARROS
isabelle.barros@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 13/09/2017 03:00

O respeitável público do Recife vai ter a oportunidade de ver, a partir de hoje, as atrações do Palhaçaria - Festival internacional de palhaças do Recife, que está com uma edição mais enxuta em comparação aos anos anteriores, mas, em compensação, traz espetáculos voltados a um público mais amplo. O evento, que surgiu em 2012 para difundir a palhaçaria feminina, tem 11 atrações distribuídas em cinco dias, com apresentações principalmente nos teatros Apolo e Hermilo Borba Filho, no Bairro do Recife. É a primeira edição na qual a ação faz uma homenagem, reservada à portuguesa Teresa Ricou. “Nosso mundo está muito doente. Queremos proporcionar encontros felizes, relações saudáveis”, afirma Enne Marx, cocuradora do festival. Ingressos têm preços populares: R$ 10 e R$ 5 (meia).

A idealização e curadoria do festival são da Cia. Animée, composta por Enne e por Nara Menezes, ambas entre as pioneiras do Recife na valorização da comicidade feita por mulheres. “Percebemos uma grande produção de espetáculos de palhaças para toda a família e esta é uma novidade importante para o evento. Na primeira edição, por exemplo, só havia espetáculos adultos. Desta vez, temos dois espetáculos por dia e os primeiros têm classificação indicativa livre. Além disso, vimos um aumento no número de grupos de palhaças e, quando detectamos isso, fomos buscar os trabalhos dessas companhias. Nas outras duas edições, havia mais solos”, detalha Enne.

Na primeira edição, em 2012, e na segunda, em 2014, havia uma presença maior de espetáculos estrangeiros, e, neste ano, essa representação está restrita à Argentina, com duas produções. Uma delas será exibida hoje. É Fuera!, às 21h, após a abertura com o Coletivo Cênico Sampalhaças. A outra é Maku Fanchulini, que traz ao Recife Metro y medio, na qual ela se comunica com o público sem palavras.

A interatividade com o público é uma aposta do evento, com a inclusão do Circo di SóLadies. O grupo vai fazer transmissões ao vivo pelo Facebook, onde vão fazer entrevistas bem-humoradas com o público antes dos espetáculos. Outra novidade é a inclusão de uma companhia de repertório na programação, a dupla Las Cabaças, composta por Mariana Balsalobre e Marina Quinan. São três espetáculos: Divagar e sempre, na sexta, O dia da caça, no sábado e Semibreve, no domingo. O último dia do Palhaçaria também engloba o encerramento da temporada do espetáculo Chá comigo, solo de Giulia Cooper, da Caravana Tapioca, em apresentação gratuita na Praça do Arsenal, às 17h do domingo.

Programação

Hoje
19h30 - Cortejo cênico Sampalhaças, - Teatro Hermilo Borba Filho
21h - Fuera!, com Leticia Vetrano, - Teatro Apolo

Amanhã
19h30 - O jardim do imperador, da Cia. Pelo Cano - Teatro Apolo
21h - Cabaré Varieté 1, com várias artistas

Sexta
19h30 - Divagar e sempre, da Las Cabaças - Teatro Apolo
21h - Metro y medio, com Maku Fanchulini - Teatro Hermilo Borba Filho

Sábado
16h30 - O dia da caça - das Las Cabaças - Teatro Apolo
20h - Valdorf, da Casa de Madeira / Aline Marques - Teatro Apolo

Domingo
16h30 - Semibreve - das Las Cabaças - Teatro Hermilo
17h - Chá comigo, de Giulia Cooper (Caravana Tapioca) - Praça do Arsenal
20h - Cabaré varieté 2, com várias artistas