Ciência e Saúde

Perder peso e melhorar desempenho

Publicação: 09/09/2017 03:00

Quem começa a praticar o duathlon - ou qualquer outra atividade física intensa - geralmente o faz por dois motivos: buscando perder peso ou melhorar o desempenho do corpo. Para os dois tipos de atletas, as recomendações alimentares são um pouco diferentes, como explica a coach Tina Hartmann. Para aqueles que buscam perder peso antes de tudo, o mais importante é diminuir a quantidade de carboidratos ingeridos.

“Não se trata do corte total dos carboidratos, mas apenas de uma redução. Deve-se focar nos carboidratos ‘bons’, os que têm baixo índice glicêmico e muita fibra, presentes em tubérculos, no pão integral e na aveia, por exemplo”, comenta Hartmann. “Cumprir essa dieta tem o efeito de aliar a perda de peso com a preservação da massa magra”, acresce.

Já para quem não precisa perder peso e quer apenas focar na melhora do rendimento físico, a preocupação com a ingestão de carboidratos não precisa ser tão grande. Porém, como Tina faz questão de lembrar, o foco deve ser nos carboidratos de baixo índice de glicemia, pois eles fornecem energia por um período mais duradouro e proporcionam um exercício físico mais equilibrado. “Nos alimentos com alto índice glicêmico, como o arroz e o pão branco, o corpo recebe a glicose e, em vez de liberar gradativamente, libera de uma vez. Ocorre então uma hipoglicemia, que dá uma sensação de falta de energia e fadiga, já que toda a reserva é gasta rapidamente. Nos alimentos com baixo índice, essa queima acontece de forma gradual e lenta, garantindo energia em todos os momentos da atividade física”, resume.

Ainda que encontre dificuldade em encaixar os treinos no meio da rotina de trabalho e estudo, Marina Hazin procura não esquecer as dicas do nutricionista e incluir alimentos naturais na dieta. “Às vezes, por conta da correria, acaba sendo mais prático comer uma proteína batida com água, mas no geral tento sempre comer uma fruta, um ovo, e tirar dos alimentos naturais a energia para os treinos”, pontua. “Costumamos falar que quanto menos tempo de prateleira o alimento tiver, mais saudável ele será. Claro que nem sempre é possível ter esse tipo de alimentação por conta da rotina de cada um, mas o importante é sempre buscar esse objetivo”, destaca Tina Hartmann.

“É preciso conhecer o tipo físico da pessoa, e a disponibilidade de tempo para se alimentar. Tudo isso influencia”
Tina Hartmann, Coach em nutrição