Educação e Religião

As descobertas

Publicação: 03/02/2018 03:00

“Além de não ficar no trânsito, ir de bicicleta é também uma forma de atividade física. Vou conversando com meu filho e consigo estar mais atento a ele do que em um carro. Ele vai na cadeirinha na minha frente e aproveito para ir dando beijos na cabeça dele. Essa é a melhor parte. No caminho, explico coisas da rua e da cidade a ele, que sempre presta atenção e já tem um olhar crítico para a realidade. Ele observa a limpeza das ruas, compara as casas e os prédios, sabe o que é novo e o que é velho no bairro. Acho que essa rotina tem mudado a percepção dele sobre o entorno e aguçado a curiosidade”
Gustavo Neves
45 anos, administrador e pai de André Neves, 5 anos. Eles vão de casa, no Parnamirim, até o colégio, no mesmo bairro, de bicicleta.

“Tenho uma consciência de que a criança precisa estar na cidade, interagir com o espaço urbano. Não temos calçadas adequadas, trânsito com baixa velocidade, mas é o que temos. E precisamos educar e preparar as crianças para viver nele. Moro em um bairro onde consigo fazer tudo a pé com o Felipe e, no caminho, acabo mostrando muita coisa a ele. Costumávamos ir para parques públicos e já cheguei a ver um assalto. Mas não vou abrir mão de andar pela cidade com o meu filho”
Brenda Venturieri
37 anos, psicóloga e mãe de Felipe Venturieri, 8 anos. Eles costumam ir andando tanto para a escola quanto para a academia infantil que o menino frequenta, no bairro da Tamarineira.

“A escolha da escola foi feita priorizando uma educação que combinasse com a que oferecemos a Arthur em casa, mas também a localização. Buscamos uma perto de casa para que pudéssemos deixar o carro de lado. Vou andando com ele até a escola todos os dias. Aproveito para sair de casa de tênis muitas vezes, pois já é uma forma de eu me exercitar. O único problema é a ausência de faixas de pedestre na avenida que atravessamos para chegar à escola. Para conseguir passar, Arthur dá um ‘legalzinho’ com a mão”
Juliane Lira
39 anos, redatora e mãe de Arthur Gomes, 8 anos. Eles vão andando de casa até o colégio.