GASTRÔ

A vida está sopa Prato é uma opção saborosa e reconfortante durante o inverno na capital pernambucana

texto: Marina Simões | marinasimoes.diario@gmail.com

Publicação: 15/07/2017 03:00

Receita simples e prática, a sopa é um clássico da culinária brasileira consumida principalmente no jantar. O prato foi introduzido a partir dos costumes portugueses e ganhou versões locais. As mais tradicionais são de feijão, de carne, legumes, canja e caldo verde, mas as possibilidades de sabores são infinitas. “Normalmente, todo almoço pode virar a sopa do jantar. É hábito cultural dos nordestinos, que têm preferência por comida quente, seja no verão ou no inverno”, aponta a cozinheira Geiza Maciel, à frente do Sopa Quente, com mais de 40 sabores de sopas e consumês para delivery. O prato é leve e fica pronto em até 30 minutos, para ser consumido a qualquer hora do dia. Nos meses em que as temperaturas caem, as casas especializadas percebem o aumento da procura por uma sopa quentinha. “Sopas são revigorantes, servem para quem está doente e para quem não quer adoecer”, sugere Geiza. Ela aposta em sabores requintados como sopa de tomate com almôndega recheada com mussarela, de batata com provolone e abóbora com queijo e charque. Os preços variam de R$ 11,50 a R$ 17,50 (500 ml).

A sopa é, sobretudo, um caldo-base - de carne, peixe ou legumes e vegetais - e ingredientes extras para dar textura. “Temos o hábito de engrossar nossa sopa com feijão, macarrão ou arroz”, explica o chef Heleno Júnior, que prepara 17 tipos de sopas do Na Venda (unidades Graças e Pina). “O caldo é extraído do osso da carne, da cabeça do peixe ou do refogado de legumes em água fervente. A partir daí, é transformado em creme ou sopa”, acrescenta. Para a consistência de creme, geralmente é preciso acrescentar creme de leite ou queijo. O cozinheiro indica usar vegetais mais firmes como o chuchu, a cenoura, a batata ou abobrinha, que suportam maiores temperaturas. Ele aposta em combinações como a sopa de jerimum com manga e gengibre, alho-poró, cebola e espinafre com brócolis (R$ 13,80).

O restaurante Chica Pitanga, em Boa Viagem, oferece self-service com quatro sabores de sopas diariamente (R$ 44,50 quilo). A proprietária Paula Aquino é responsável por criar mais de 100 receitas da casa. As preferidas são a sopa de peixe e sopa lavrador (caldo de batata com couve e repolho, paio e azeite). “Tudo o que tiver na geladeira virar caldo”, diz. Entre as receitas, mandioquinha com agrião, grão-de-bico com espinafre, milho com camarão e de frutos do mar.

A Casa de Tonho, em Olinda, também serve sopa no jantar - carne, canja, feijão, caldo verde e jerimum com charque. “Uma opção saudável e leve para o jantar”, explica a proprietária Telma Teixeira. Custa R$ 7,50 (pequena) e R$ 10,50 (grande) e acompanha pão. No Mon Cher Café Et Pâtisserie, no Rosarinho, elas vêm com torradas. Os sabores são caldo verde, canja, carne e jerimum com charque, R$ 12). No Palatsi Convenience Café, queijo maçaricado agrega sabor. “Servimos sopa o dia inteiro. Os clientes elogiam o queijo gratinado que harmoniza bem e dá o toque especial”, explica a proprietária Maria Eduarda Correia. No cardápio, sopas de cebola, couve-flor com queijo, caldo verde, canja e frango com milho (R$ 11,90 acompanha torradas).

Serviço

Chica Pitanga (Rua Petrolina, 19, Boa Viagem)
Telefone: (81) 3334-8260

Casa de Tonho (Alberto Lundgren, 582, Olinda)
Telefone: (81) 3439-1080

Mon Cher
Café et Pâtisserie (Rua Regueira Costa, 30, Rosarinho)
Telefone: (81) 3038-7755

Na Venda Café (Rua Amélia, 373, Graças/ Capitão Rebelinho, 735, Pina)
Telefone: (81) 3242-5652

Palatsi Convenience (Av. Agamenom Magalhães, 4779, Empresarial Isaac Newton)
Telefone: (81) 97903-2646

Sopa Quente (Delivery)
Telefone: 3325-4903