LUGAR CERTO

Cidades inteligentes Preocupação com um mundo sustentável já é realidade no Brasil

Débora Eloy
Especial para o Diario
debora.eloy@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 10/08/2017 03:00

O futuro é algo incerto, mas as apostas de como ele será já estão acontecendo há bastante tempo. Com a estrutura das cidades não é diferente. Enquanto alguns acreditam em um crescimento vertical com diversos empreendimentos, existe uma vertente que defende que esse futuro precisa andar lado a lado com inovações que sejam acessíveis a todos. Esse é o caso de uma smart city, projeto que une o desenvolvimento das cidades com apostas em tecnologias de comunicação e novidades que têm como prioridade a qualidade de vida.

Uma definição completa a respeito de cidades inteligentes e que seja aceita em todos os lugares ainda não existe, porém é correto afirmar que existem duas características comuns que permeiam as resoluções de cidades inteligentes. “São a aposta em infraestruturas e serviços e centralidade nas pessoas, onde elas possam resolver seus problemas sem precisar se deslocar muito”, aponta a especialista em políticas urbanas e representante da ONU-Habitat Rayne Ferretti. Em outras palavras, o foco principal de uma cidade inteligente é a melhoria de vida das pessoas que vivem nela.

Atualmente as propostas de melhorias para as cidades são em pontos específicos. “As soluções dadas visam um reparo imediato em apenas um aspecto e que podem acarretar em outro problema em outro ponto da cidade”, esclarece Rayne. Em uma cidade inteligente se pensa em soluções coletivas que ajudem o todo de forma unificada.

A primeira smart city no Brasil, concebida do zero, está sendo construída no Ceará e chama-se Laguna. O projeto desenvolvido pela Planet The Smart City é idealizado pela SG Desenvolvimento, uma empresa italiana, e já começa a entregar seus primeiros lotes no final do ano. “Este é o futuro do mercado imobiliário. O segredo está em planejar, desde o começo, como ajudar as cidades, englobando arquitetura, tecnologia e meio ambiente”, declara o presidente da SG Desenvolvimento Giovanni Savio.

O setor imobiliário é fundamental para o desenvolvimento de uma cidade inteligente, uma vez que será essa a área responsável pela construção de empreendimentos que atraem os moradores. Muitas vezes uma pessoa que mora em um ponto da cidade precisa ir até outro extremo para resolver algum problema. “O pensamento de uma smart city é de que o morador possa resolver todos os seus problemas dentro dela e para isso é preciso ter infraestrutura”, aponta Rayne. Essa é uma solução que pode ser fornecida pelas construtoras.

Empreendimentos que apostam em projetos como uma cidade inteligente, oferecem mais do que apenas uma residência ou comércio. “Eles entregam para o cliente o diferencial que é o investimento em uma infraestrutura planejada e o cuidado com o futuro do planeta”, conclui Giovanni.