Turismo

Shows dançantes e visita à Usina são passeios alternativos

Publicação: 05/05/2018 03:00

Outro destino possível para quem visita Foz do Iguaçu é conhecer a Usina Hidrelétrica de Itaipu, localizada no Rio Paraná, na fronteira entre o Brasil e o Paraguai. A Itaipu Binacional é operadora da usina, responsável por 17% do abastecimento de eletricidade do Brasil e por 76% do fornecimento ao Paraguai.

A ideia do passeio é percorrer o coração da usina, tomada por equipamentos modernos e composta, obrigatoriamente, por funcionários dos dois países. No tour, é possível observar a sala de comando central, dividida por uma fronteira simbólica onde o visitante fica, ao mesmo tempo, no Paraguai e no Brasil.

Tudo é muito grandioso e o visitante precisa estar preparado para entrar em ambientes barulhentos e quentes. Em um certo momento, por exemplo, o turista é convidado a ver de perto a atividade do rotor de uma das unidades geradoras. Ele pesa 1,7 milhão de  quilos, o que equivale ao peso de mil carros de grande porte. Não é um passeio dos mais agradáveis para quem tem medo de altura ou claustrofobia, por exemplo.

O lado mais agradável da visita, sem dúvida, é observar o bosque plantado aos poucos por trabalhadores e a visão da usina a partir do mirante central. Outra proposta é apreciar o vertedouro da usina, mas ele abre apenas em 10% do ano e as datas não são previsíveis. É contar com a sorte.

A noite de Foz oferece também um show latino-americano inusitado, que até entrou para o Guinness World Records como o maior número de danças nacionais apresentadas em um jantar com show. Os dançarinos e dançarinas apresentam expressões culturais da Argentina, Paraguai, Colômbia, Peru, Uruguai, Chile, México e Brasil em uma única noite.

Os trajes são típicos dos países e os shows mais aplaudidos são o tango argentino e a dança e música mexicanas. A bola fora fica para a apresentação do Brasil, onde mulheres negras são apresentadas como “mulatas”. O termo remete à mula, é racista e relega à mulher negra o papel de objeto sexual à disposição do homem. No show, inclusive, homens são chamados ao palco para dançar com as “mulatas”. Enquanto isso, nas mesas, desfila um variado rodízio de carne.