MUNDO

Entre o discurso e a realidade Um dia ates de assumir a presidência dos Estados Unidos, Donald Trump prometeu "unificar o país", em meio à ameaça de onda de protestos

Publicação: 20/01/2017 03:00

Trump disse que vai realizar "coisas que não foram feitas por muitas décadas" (BRENDAN SMIALOWSKI/AFP)
Trump disse que vai realizar "coisas que não foram feitas por muitas décadas"
Donald Trump, que hoje assumirá a presidência de um Estados Unidos dividido, prometeu ontem que sua administração servirá para “unificar” o país. “Prometo a vocês, as coisas vão melhorar. Realizaremos coisas que não foram feitas no nosso país por muitas, muitas décadas”, afirmou Trump em um curto e improvisado discurso diante do Memorial Lincoln, em Washington, para milhares de seus seguidores. Na manhã de hoje, Trump e sua mulher, Melania, serão recebidos na Casa Branca pelo presidente em final de mandato, Barack Obama, e sua esposa, Michelle, e pouco depois os quatro se dirigirão ao Congresso para a cerimônia de posse.

Trump recordou que durante a campanha eleitoral “fez um apelo em favor dos homens e mulheres esquecidos”. “Bom, agora já não serão esquecidos, eu garanto”. De acordo com Trump, o “movimento” que terminou por levá-lo à Casa Branca é muito maior que ele. “Este é um movimento como nunca antes se havia visto em qualquer parte do mundo. Nunca houve um movimento igual. É algo muito, muito especial. Eu sou apenas um mensageiro”.

Mas cumprir o objetivo de “unificar o país” não será uma tarefa fácil para Trump. O cenário encontrado por ele no dia da posse é adverso. Em todo o país foram convocadas marchas de protesto nos próximos dias, mas o epicentro das manifestações anti-Trump estará sem dúvida na capital, onde inclusive um grupo anunciou sua intenção de interromper a cerimônia que acontecerá em frente ao Capitólio.

A manifestação mais importante, porém, está prevista para amanhã, dia seguinte à posse. Trata-se da Marcha das Mulheres, em Washington, que conta com o apoio explícito de celebridades como as cantoras Katy Perry ou Cher e as atrizes Julianne Moore e Scarlett Johansson. Este protesto começou com uma simples mensagem no Facebook de Teresa Shook, uma advogada aposentada do Havaí, a cerca de 40 amigas.

A ideia se expandiu rapidamente e foi formalmente adotada pelo Pantsuit Nation, um grupo de Facebook que apoia Hillary Clinton (o nome é uma referência ao clássico conjunto de calças com blazer que ela usa) e que mobilizou suas quatro milhões de seguidoras em todo o país. Até o momento, cerca de 190.000 pessoas já confirmaram presença no protesto, marcado para amanhã, e outras 250.000 expressaram interesse em participar.

2020
O presidente eleito nos EUA, Donald Trump, nem iniciou seu mandato como presidente e já pediu para seu advogado para registrar o slogan de sua campanha eleitoral em 2020. Trump não perdeu tempo após a eleição presidencial em 2012 para escolher seu slogan para 2016 e agora também não esperou muito tempo para escolher seu slogan para sua reeleição em 2020: “Keep America Great” ou, na tradução livre, “Mantenha a América Grande”, disse ele em uma entrevista ao Washington Post. O slogan de sua campanha presidencial no ano passado foi: “Fazer a América grande de novo”

Agenda da posse

9h (12h de Brasília)

O presidente Barack Obama e a primeira-dama, Michelle, darão as boas-vindas a Trump e sua esposa, Melania, com um chá. Os dois casais seguirão juntos, em comitiva, para o Capitólio.

9h30 (12h30 de Brasília)
Começa a cerimônia de posse, nas escadarias do Capitólio, com shows musicais. Entre os convidados estarão legisladores, integrantes da Suprema Corte e diplomatas. Estarão também os ex-presidentes Jimmy Carter, George W. Bush e Bill Clinton, que estará acompanhado por sua esposa, Hillary Clinton, derrotada por Trump nas eleições.

11h30 (14h30 de Brasília)
Líderes religiosos farão orações. Clarence Thomas, integrante da Suprema Corte, tomará o juramento do vice-presidente Pence.

12h (15h de Brasília)
Trump pronunciará seu juramento, tomado pelo presidente da Suprema Corte, John Roberts. Para isso, serão usadas duas Bíblias: a utilizada na posse do presidente Abraham Lincoln e uma pertencente a Trump, que foi presenteada por sua mãe em 1955. Posteriormente, Trump pronunciará um discurso, que deve durar 20 minutos.

12h30 (15h30 de Brasília)
Fim da cerimônia. Posteriormente, mantendo uma longa tradição, Trump e Pence participam de um almoço no Capitólio.

14h30 (17h30 de Brasília)
Trump e Pence passam em revista às tropas.

15h a 17h (18h a 22h de Brasília)
Desfile de posse. O novo presidente e seu vice percorrerão os 2,4 km pela Avenida Pensilvânia do Capitólio até a Casa Branca.
 
19h a 23h (22h a 2h de Brasília)
Trump, Pence e suas esposas participam de três bailes de gala diferentes