MUNDO

EI assume atentado em Londres Khalid Masood, um britânico que já tinha sido investigado por vínculo com o %u201Cextremismo violento%u201D, foi identificado como o autor

Publicação: 24/03/2017 03:00

A milícia terrorista Estado Islâmico assumiu ontem a autoria do atentado que aconteceu na última quarta-feira no centro de Londres, deixando quatro mortos e 29 feridos. Segundo a agência DPA, porta-vozes do grupo informaram que a operação foi realizada por integrantes do grupo. A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, afirmou na Câmara dos Comuns que a pessoa que realizou o atentado era um britânico, conhecido pelos serviços secretos e com histórico de violência extremista. Ela afirmou que o atentado foi “um ataque contra todas as pessoas livres” e que o Reino Unido “não tem medo”, informou a agência Télam.
A polícia britânica identificou Khalid Masood, um britânico de 52 anos, como o autor do atentado. Ele – que foi abatido a tiros – nasceu em Kent, mas recentemente vivia no condado de Midlands, no centro do país. Masood já havia sido condenado em várias ocasiões por delitos com violência, posse de armas e perturbação da ordem pública, mas nunca por terrorismo. “Não havia informação de inteligência sobre suas intenções de organizar um ataque terrorista”, explicaram as autoridades. Segundo havia explicado a primeira-ministra britânica, Therese May, a polícia o havia investigado por vínculos com o “extremismo violento”, mas atualmente ele não estava sendo vigiado.
May informou que, entre os feridos, há 12 britânicos, três crianças francesas, dois romenos, quatro sul-coreanos, dois gregos, um alemão, um polonês, um irlandês, um chinês, um italiano e um norte-americano. “Foi um ataque contra gente livre de todas as partes e, em nome do povo britânico, quero agradecer a nossos amigos e aliados em todo o mundo que deixaram claro que estão conosco neste momento”, afirmou.
No ataque, o agressor lançou seu carro contra pedestres na ponte de Westminster e bateu o carro na grade. Depois ele esfaqueou um policial que vigiava o Parlamento e recebeu vários tiros de policiais.

Investigações
Oito pessoas foram presas ontem por supostamente estarem envolvidas no atentado. O chefe da unidade antiterrorista da Polícia de Londres, Mark Rowley, afirmou que até o momento não há evidências que indiquem riscos de novas ameaças e que o incidente está sendo investigado como terrorismo.

 

[ Solidariedade

O papa Francisco expressou sua “profunda tristeza” pelo atentado de quarta-feira
em Londres, e pediu “solidariedade” e “orações” para todos os afetados pela tragédia. Em um telegrama enviado nesta quinta-feira
em nome do papa pelo secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, ao arcebispo de Westminster, cardeal Vincent Nichols, Francisco invoca “a paz e a força de Deus para as
famílias afetadas”.