SUPERESPORTES

1º ou 41º? Final do PE2017 coloca frente a frente o maior campeão da história e o clube que mais chegou perto de levar a taça para o interior

Publicação: 24/04/2017 03:00

 (fotos: Ricardo Fernandes/DP )

De um lado, o maior campeão da história do Pernambucano. Dono dos títulos nacionais mais representativos do estado, com um elenco milionário, com direito a ter um jogador de seleção brasileira. Do outro, aquele que pode ser o primeiro campeão do interior. Com uma folha salarial pequena, talvez menor até mesmo do que a principal estrela do elenco adversário. Quase um Davi contra Golias. Eis a final do PE2017.

Uma decisão inédita. Pela primeira vez, Sport e Salgueiro medirão forças numa final. Para o Rubro-negro, vale a 41ª taça do Estadual. Mais uma, portanto. Para o Tricolor sertanejo, é “a” taça, nunca conquistada por um clube do interior do estado. O encontro é a 13ª configuração diferente na história do Campeonato Pernambucano, que já teve a taça disputada num duelo final em outras 68 edições - em 34, o campeão saiu de forma direta.

O duelo, aliás, já teve outros dois capítulos decisivos, ambos em semifinais, mas com desfechos diferentes. Em 2015, uma das maiores vitórias obtidas na curta história do Carcará. Com dois gols de pênalti de Rogério Paraíba, o Salgueiro venceu o primeiro jogo, no estádio Cornélio de Barros. Na volta, o empate em 1 a 1 na Arena Pernambuco levou o Salgueiro à final, quando chegou mais perto da taça histórica. No ano seguinte, o Leão venceu a partida de ida, na Ilha, por 1 a 0. Pelo mesmo placar, perdeu no Cornélio de Barros. Nos pênaltis, o Sport avançou para a final. As duas decisões foram vencidas pelo Santa Cruz.

DIFERENÇAS
Agora vale o título. Mas não é só isso. As duas equipes chegam empolgadas para a partida, fortes. Desejando o título. O Sport, que utilizou equipes alternativas, com jogadores da base no hexagonal final, agora encara o Pernambucano como uma prioridade. A conquista de um título é uma necessidade na Ilha - o último foi em 2014, a dobradinha Estadual e Nordestão. É, inclusive, uma lacuna na trajetória de Diego Souza no Leão. Algo que falta para o craque.

O Salgueiro, por sua vez, não quer deixar a chance passar novamente. Sabe que tem um adversário mais técnico do que encontrou em 2015, mas, agora, vai decidir em casa. O jogo da taça, a finalíssima, será diante da sua torcida, no Cornélio de Barros.

As finais na história

Santa Cruz X Sport
24 vezes
(1916, 1917, 1920, 1940, 1949, 1953, 1957, 1962, 1969, 1971, 1973, 1980, 1986, 1987, 1990, 1996, 1999, 2000, 2003, 2006, 2011, 2012, 2013 e 2016)
Placar de títulos: 12 x 12

Sport X Náutico
17 vezes
17 vezes (1951, 1954, 1955, 1961, 1963, 1965, 1966, 1968, 1975, 1977, 1981, 1988, 1991, 1992, 1994, 2010 e 2014)
Placar de títulos: 11 x 6

Náutico X Santa Cruz
16 vezes
(1934, 1946, 1960, 1970, 1974, 1976, 1979, 1983, 1984, 1985, 1989, 1993, 1995, 2001, 2002 e 2004)
Placar de títulos: 9 x 7

Náutico X América
2 vezes
(1944 e 1950)
Placar de títulos: 1 x 1

Santa Cruz X América
2 vezes
(1947 e 1921)
Placar de títulos: 1 x 1

Flamengo X Torre
1 vez (1915)
Placar de títulos: 1 x 0

Santa Cruz X Íris
1 vez (1932)
Placar de títulos: 1 x 0

Santa Cruz X Varzeano
1 vez (1933)
Placar de títulos: 1 x 0

Santa Cruz X Tramways
1 vez (1935)
Placar de títulos: 1 x 0

Sport X América
1 vez (1948)
Placar de títulos: 1 x 0

Sport X Porto *
1 vez (1998)
Placar de títulos: 1 x 0

Santa Cruz X Salgueiro
1 vez (2015)
Placar de títulos: 1 x 0

* Há quem não considere o jogo como uma final, pois só o Sport poderia ser campeão. Pela forma como o jogo foi tratado na época, a partida foi incluída na contagem.