Brasil perto das 100 mil mortes por coronavírus Com média diária superior a mil mortes, o país deve ser o segundo do planeta a ultrapassar a marca, o que pode ocorrer na próxima quinta ou sexta-feira

Publicação: 01/08/2020 03:00

As projeções indicam que o Brasil deve chegar aos 100 mil mortos pela Covid-19 na próxima semana. Com uma média diária acima de mil óbitos, o país possivelmente alcançará a marca na quinta ou sexta-feira. Na última sexta, quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) anotou novos recordes de casos e mortes em 24 horas no planeta - de 292.527 infecções e 6.812 mortes -, o Ministério da Saúde anunciava que o Brasil  chegara aos  92.425 óbitos.

No ranking mundial, o Brasil fica atrás somente dos Estados Unidos, com mais de 152 mil óbitos e em escala crescente  de casos e mortes, o que também se observa em regiões brasileiras. Na quinta-feira, os registros brasileiros foram os maiores de todo o mundo. São Paulo é o estado com os maiores números. Da quinta para sexta, foram 13.298 novas infecções, tendo  542.304 casos e 22.997 mortes desde o início da pandemia.

A situação do Rio de Janeiro, com a segunda maior quantidade de mortes, também  preocupa. Para infectologistas, o estado atingiu o chamado platô, mas com tendência de alta. Nesta sexta, o boletim da Secretaria de Saúde fluminense contabilizava 13.477 mortes, havendo ainda 1.041 em investigação, e 165.495 casos confirmados. O município do Rio de Janeiro se destacava em mortes, com 8.310, seguido por São Gonçalo, 587; Duque de Caxias, 576; e Nova Iguaçu, 429.

Para controlar a doença, o Brasil decidiu seguir o exemplo da Alemanha, Itália e Uruguai, e lançou uma atualização do aplicativo Coronavírus SUS que pode rastrear e alertar sobre a proximidade e o contato com pessoas infectadas pela Covid-19. Chamada de API Exposure Notification, a tecnologia somente será ativada caso o usuário habilite a função “notificação de exposição” nas configurações do aplicativo.

Segundo nota divulgada pelo Ministério da Saúde, pessoas geolocalizadas em um perímetro próximo de outras pessoas que informaram estar infectadas pelo coronavírus receberão um alerta. O sistema não identifica o doente, apenas avisa da proximidade de alguém que, voluntariamente, informou estar com diagnóstico positivo para a doença nos últimos 14 dias.

Para se cadastrar como doente, o usuário deve validar o exame com o diagnóstico positivo. Segundo o boletim do ministério, “a técnica será uma parte essencial da transição para a vida cotidiana e, ao mesmo tempo, gerencia o risco de novos surtos.” O aplicativo está disponível para as plataformas Android, na Google Play, e para iOS, na App Store. (Com agências)