Corpo de Bruno Pereira chega ao Recife hoje O velório será realizado no Cemitério Morada da Paz, em Paulista, e estará aberto ao público. Índios de tribos pernambucanas prestarão homenagem

Publicação: 23/06/2022 03:00

O corpo do indigenista pernambucano Bruno Pereira deve chegar ao Recife entre 17h e 19h de hoje, vindo de Brasília. O velório, aberto ao público, começa às 9h de amanhã, seguido da cremação, ambos no Cemitério Morada da Paz, em Paulista. Indígenas de tribos pernambucanas virão ao Recife para prestar última homenagem.

Quem também já está no Recife para acompanhar o funeral é o fundador da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), Beto Marubo.  Ele é uma das lideranças mais respeitadas da região e era considerado por Bruno como um irmão, pois foi uma figura fundamental na formação do indigenista em seu trabalho com os povos locais.

Marubo veio a Pernambuco após uma reunião no Conselho Nacional de Justiça, onde também participaram o presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, e o ministro Luís Roberto Barroso. O assunto foi a investigação dos assassinatos. O indígena também liderou os povos do Vale do Javari que atuaram nas buscas de Bruno e Dom.

Bruno foi morto juntamente com o jornalista inglês Dom Phillips no Vale do Javari. Ambos desapareceram no dia 5 de junho enquanto faziam uma viagem de duas horas, no oeste do Amazonas. A região é conhecida por abrigar a maior quantidade de indígenas isolados do mundo.

Dom Phillips era colaborador do jornal britânico The Guardian, e Bruno Pereira, servidor licenciado da Fundação Nacional do Índio (Funai). O indigenista denunciou ameaças na região, informação confirmada pela PF, que abriu investigatição. Três pessoas estão presas suspeitas de envolvimento. Amarildo da Costa Oliveira, conhecido como “Pelado” confessou os assassinatos e apontou o local dos corpos. Além dele, estão presos o irmão dele, Oseney da Costa de Oliveira, e Jeferson da Silva Lima, conhecido como “Pelado da Dinha”. (Da Redação)