ONU aumenta pressão por atrocidades Resolução pede que uma comissão internacional conduza investigação sobre violações de direitos humanos cometidas pela Rússia na Ucrânia

Publicação: 13/05/2022 03:00

O Conselho de Direitos Humanos da ONU aprovou ontem, em Genebra, por ampla maioria, o início de uma investigação sobre as atrocidades atribuídas às tropas russas desde que invadiram a Ucrânia em 24 de fevereiro.

Em uma sessão extraordinária, o Conselho adotou a medida por 33 votos a favor, dois contra - China e Eritreia - e 12 abstenções. A resolução pede que uma comissão internacional conduza uma “investigação” sobre as graves violações de direitos humanos cometidas em várias regiões da Ucrânia, para “exigir que os responsáveis sejam responsabilizados”.

Paralelamente, durante uma reunião do Conselho de Segurança convocada a pedido da França e do México, representantes da ONU exigiram o fim dos bombardeios contra escolas e denunciaram seu uso para fins militares.

Em 4 de março, Kiev conseguiu que o Conselho adotasse de forma esmagadora uma resolução para criar urgentemente uma comissão de investigação internacional independente.

Desde então, a divulgação na mídia internacional de fotografias tiradas em Bucha, um subúrbio de Kiev, mostrando corpos na rua, alguns com as mãos amarradas às costas ou parcialmente queimados, além de valas comuns, gerou condenação internacional.

Atrocidades em outras partes do país também foram reveladas. Segundo a resolução aprovada, que foi boicotada por Moscou, os abusos foram cometidos nas áreas próximas a Kiev, em Chernihiv, Kharkiv e Sumy entre o final de fevereiro e março de 2022.

A resolução pede ao governo russo que garanta às organizações internacionais, incluindo as das Nações Unidas, “acesso imediato e desimpedido às pessoas que foram transferidas das regiões ucranianas afetadas pelo conflito e estão detidas” na Rússia ou em territórios controlados por suas forças. (AFP)