Destino de Chico Rodrigues nas mãos do Supremo Colegiado do tribunal analisa afastamento por 90 dias do senador democrata, flagrado com R$ 33,1 mil na cueca. Julgamento será na próxima quarta-feira

Publicação: 17/10/2020 03:00

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, marcou para a próxima quarta-feira o julgamento da decisão do ministro Luís Roberto Barroso pelo afastamento, por 90 dias, do senador Chico Rodrigues (DEM-RR). O parlamentar foi pego pela Polícia Federal, na última quarta-feira, com R$ 33,1 mil na cueca. Barroso determinou o afastamento na quinta-feira.

A decisão do tribunal ainda tem que passar pelo Senado, que pode confirmar ou não o entendimento do ministro. Ainda assim, o ministro pediu para que o presidente do Supremo pautar o tema. Um aval colegiado dará força à decisão do magistrado.

Se afastado, Chico Rodrigues, que deixou vice-liderança do governo no Senado após o escândalo, abre caminho para o seu filho, o administrador Pedro Arthur Rodrigues, 41 anos, ocupar a cadeira no Senado. Também filiado ao DEM, ele é o primeiro suplente do pai, eleito em 2018, e nunca havia concorrido a eleições antes. Para assumir a vaga, será necessário que Chico Rodrigues fique afastado por mais de 120 dias, de acordo com as regras do regimento interno do Senado. Por enquanto, a determinação do STF é de afastamento por 90 dias. Durante esse período, a cadeira ficaria “vaga”, até nova decisão. A Polícia Federal chegou a pedir a prisão preventiva do senador, após encontrar o dinheiro com o democrata.

A quantia foi encontrada durante buscas e apreensões da operação Desvid-19, na última quarta-feira. A operação investiga um esquema de desvio de verbas públicas destinadas ao combate à pandemia  em Roraima.

Foram desviados cerca de R$ 20 milhões em emendas parlamentares, segundo investigações. Buscas foram feitas na casa de Pedro Arthur, mas não há indícios de envolvimento dele no esquema. (Correio Braziliense)