Ciro Gomes em novo embate com o PT Pedetista acusou Lula de conspirar pelo impeachment em 2016 e foi repreendido por Dilma Rousseff: "Mente de maneira descarada"

Henrique Souza
politica@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 14/10/2021 03:00

A troca de ataques entre Ciro Gomes (PDT) e PT ganhou novos capítulos ontem, após a divulgação de uma entrevista do pedetista ao jornal O Estado de S. Paulo. O pré-candidato à presidência afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) “conspirou” para o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2016.
 
“Eu atuei contra o impeachment e quem fez o golpe foi o Senado Federal. Quem presidiu o Senado? Renan Calheiros. Quem liderou o MDB nessa investida? O Eunício Oliveira. Com quem o Lula está hoje?”, indagou Ciro. “Hoje eu estou seguro que o Lula conspirou pelo impeachment da Dilma, estou seguro”, completou.
 
Ciro falou que seu irmão, o senador Cid Gomes (PDT-CE), questionou se os aliados da ex-presidente queriam de fato impedir a saída da petista da presidência. “O meu irmão, que também estava lutando (contra o impeachment), me chamou e falou assim: ‘Será que esses caras querem impedir o impeachment?’. Agora estou seguro que eles estavam colaborando pelo impeachment da Dilma, porque nas eleições de 2018 o Lula estava com o Renan Calheiros e queria que eu me envolvesse nisso. Eu que fui para as ruas, (sendo que à época) era muito impopular defender a Dilma. Agora os amigos do peito são eles”, disparou o pedetista.

Farpas
As falas de Ciro não passaram despercebidas por Dilma. A ex-presidente rebateu o ex-aliado no Twitter. “Ciro Gomes está tentando de todas as formas reagir à sua baixa aprovação popular. Mais uma vez mente de maneira descarada, mergulhando no fundo do poço. O problema, para ele, é que usa este método há muito tempo e continua há quase uma década com apenas 1 dígito nas pesquisas”, postou a petista.
 
Em resposta, Ciro também publicou nas redes sociais. “Na vida nunca menti. Mas errei algumas vezes. Uma delas quando lutei contra o impeachment de uma das pessoas mais incompetentes, inapetentes e presunçosas que já passaram pela presidência. Claro que estou falando de você, Dilma”.
 
A ex-presidente voltou a responder o pedetista, dizendo que a visão de Ciro era “misógina”. “Para além disso, Ciro sistematicamente distorce os fatos. E, nisso, não se difere em nada de Bolsonaro. Ambos adoram quando os alvos de suas agressões reagem. Precisam disso para obter likes e espaço na mídia. É disso que se alimentam”, falou Dilma.

Ex-aliado

Rompido com o PT desde 2018, Ciro Gomes, que busca se colocar como o candidato da chamada “terceira via” para a eleição presidencial de 2022 , tem direcionado tanto ataques a Lula quanto ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O pedetista se recusou a apoiar Bolsonaro ou Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleições daquele ano. Antes, o PT havia articulado para desidratar a candidatura de Ciro à presidência, numa costura que envolveu o PSB, com uma aliança entre os dois partidos em Pernambuco. Em novembro do ano passado, Lula e Ciro se encontraram e pareciam ter resolvido as diferenças, mas o pedetista voltou a enxergar o ex-presidente como adversário, em especial após o petista ter recuperado os direitos políticos em março.

Idas e vindas


1989

Ciro Gomes apoia Lula no segundo turno das eleições presidenciais

2002

Volta a apoiar Lula no segundo turno

2003

É escolhido ministro da Integração Nacional no primeiro governo de Lula

2010

Apoia Dilma Rousseff no segundo turno das eleições

2014

Apoia Dilma novamente

2018

Sofre com a articulação do PT para isolar sua candidatura à presidência

2019

Intensifica os ataques ao PT, em especial a Lula; e também ao presidente Bolsonaro

2020

Se encontra com Lula e os dois ensaiam uma reaproximação

2021

Volta a intensificar ataques contra Lula e o PT