IPOJUCA » Após óleo, marisqueiras enfrentam nova crise

Publicação: 26/03/2020 03:00

Os piores dias da vida de Helena do Nascimento, 33, vieram com o derramamento de óleo nas praias do Nordeste e, agora, com a pandemia da Covid-19. Marisqueira desde os 12 anos, ela vive novas dificuldades, já que precisa ficar em casa para evitar o contágio pelo coronavírus.

Helena é uma das 150 mulheres previstas para serem beneficiadas pela campanha que o coletivo feminista Todas Para o Mar (TPM), de Maracaípe, em Ipojuca, lançou nas redes. A maioria delas cuida sozinha dos filhos. Muitas estão alimentando a família com a ajuda de vizinhos e parentes ou dependendo do repasse de verba de políticas públicas.

Nuala Costa, do coletivo TPM, explica que, além das marisqueiras, serão beneficiadas as catadoras de latinhas e as artesãs. “Fizemos uma pesquisa e listamos as mulheres mais pobres. A maioria tem muitos filhos e a ajuda é muito urgente. São pessoas sem reservas e não sabemos quanto tempo isso vai durar”, ressalta. A ideia é atuar pelo menos nos próximos dois meses. Dessa forma, cada família receberia duas cestas por mês, totalizando quatro cestas em dois meses. Cada cesta está avaliada em R$ 55. “Como elas têm muitos filhos, somente uma cesta por mês não dá”, acrescentou Nuala.

Para ajudar na campanha, basta entrar no insta @tpmtodasparaomar ou no link lhttps://www.vakinha.com.br/vaquinha/campanha-de-alimentos-para-as-mulheres-da-baia-de-maracaipe. Além de encontrar o aratu e o marisco, as marisqueiras ainda precisam catar, cozinhar e procurar comprador. Um serviço pesado com pagamento exíguo. Um quilo de aratu alcança os R$ 50 e o de marisco, R$ 12, diz Helena.  Para sobreviver com os quatro filhos, Helena também conta com R$ 160 do Bolsa Escola e R$ 130 do Bolsa Família.

O Comitê contra o coronavírus da Prefeitura de Ipojuca solicitou recursos federais, no valor de um salário mínimo, a 750 ambulantes que trabalham na orla, além de 2.617 jangadeiros, bugueiros, garçons da praia, mangueadores, comerciantes da feira de artesanato, barraqueiros, taxistas e cobradores e outros. As marisqueiras já estão incluídas no programa de apoio aos pescadores, segundo informou a prefeitura.