PRECAUÇÃO » Higiene deve ser prioridade na empresa

Publicação: 26/03/2020 03:00

Apesar da recomendação de isolamento social e suspensão de atividades, muitas empresas que oferecem serviços essenciais necessitam manter a operação. Nestes casos, tornam-se indispensável os cuidados com funcionários e clientes, valendo a conscientização coletiva. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), as companhias precisam adotar medidas para evitar a propagação da doença, assim como organizar ações no caso do surgimento de algum caso dentro do quadro de pessoal.

Manter o ambiente limpo e higienizado é o ponto principal. É preciso limpar as superfícies das mesas e equipamentos regularmente, já que são uma das principais formas de disseminação de infecções. De acordo com o coordenador de operações do Grupo Trino, companhia que atua na área de recursos humanos, Carlos Alves, o incentivo à lavagem completa das mãos é o primeiro passo. “Diante desta crise, é importante promover uma alteração na rotina, disponibilizando álcool em gel, pias com água e sabão e tudo que se faça necessário para a limpeza. Caso possível, em espaços maiores, é válido afixar cartazes e distribuir folhetos com as devidas orientações aos funcionários”, ressalta.

Segundo o gestor, as empresas devem fornecer máscaras e lenços de papel, para quem apresentar tosse ou coriza no trabalho, além de lixos com tampa para o correto descarte de material contaminado. Conforme recomendações das autoridades de saúde, os casos mais graves devem contar como imediato afastamento laboral, valendo o que está previsto na lei trabalhista.

O compartilhamento de peças como copos, pratos e talheres também deve ser suspenso para todos. Uma boa dica é evitar ambientes com ar-condicionado, dando preferência à ventilação natural. Cabe a utilização apenas em casos de extremo calor ou quando a refrigeração implica no perecimento de produtos.

Os botões do elevador, painéis para digitação de senhas, portas, fechaduras, telefones e computadores, todos na linha de frente para a frequente utilização, precisam ser alvos de reforço na higienização. Mesmo em funcionamento, é necessário evitar aglomeração, evitando espaços como refeitórios, auditórios e salas de reunião.

Vale a indicação do distanciamento mínimo de dois metros também na hora do atendimento ao cliente, dispensando apertos de mão e qualquer contato mais próximo. Conforme Alves, os cuidados com a vida fora da empresa também são indispensáveis. “É válida a adoção de turnos alternativos de entrada e saída no serviço, evitando que os colaboradores sejam expostos aos horários de pico, sobretudo para aqueles que utilizam transporte público”, disse.