TERRENO » Disputa entre pescadores e empresa

Publicação: 30/06/2020 03:00

Uma área na Praia de Barra de Jangada, Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, tem sido motivo de disputa entre pescadores locais e a empreiteira Etasa Empreendimentos Turísticos S/A há, pelo menos, uma década. A Associação de Pescadores de Barra de Jangada (APBJ) está no estuário do Rio Jaboatão com o mar. Segundo o presidente da APBJ, Lot Bernardino de Sena, o grupo de 900 pescadores associados, sendo 18 nativos, está no local desde a fundação da associação, em 2003.

A Etasa diz ter a posse do terreno e tenta retirar os pescadores da área desde 2011. No dia 6 de junho, a empresa colocou dois contêineres em um local próximo do terreno da APBJ. Os trabalhadores viram a atitude como uma afronta.

“A APBJ foi fundada em 13 de julho 2003. A nossa sede está em uma área que é beira de maré, terreno da Marinha, nós temos essa certidão de que são terras da União. A especulação imobiliária não respeita ninguém. Ela chega e quer passar por cima. Colocaram dois contêineres em um local próximo da nossa sede. Vieram com policiais para agredir os pescadores. Reagimos e entramos na Justiça”, explicou Bernardino ao Diario.  Segundo ele, existem pescadores que trabalham no local há 50 anos.l

A reportagem tentou contato com a Etasa em dois números de telefone relacionados à empresa, mas as ligações não foram atendidas. Lot Bernardino acredita que o terreno é alvo de especulação entre construtoras. “Isso é para esquentar o terreno e vender para as grandes imobiliárias. Somos contra isso porque é uma reserva ecológica. Mangue e tudo. Nós temos documentos da Marinha comprovando isso. Temos da SPU (Secretaria de Patrimônio da União), demos entrada para regularizar a área. Denunciamos ao Ministério Público Federal (MPF) também”, afirmou. A Prefeitura do Jaboatão informou que a Etasa é proprietária de terrenos na região próxima da área reivindicada pelos pescadores.