Parceria vai preservar o rico acervo do Diario Jornal mais antigo em circulação na América Latina se une à UFPE e à AIP para viabilizar projeto de conservação de seus exemplares desde 1825

Thiago Herminio
ESPECIAL PARA O DIARIO
local@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 14/09/2021 03:00

O presidente do Diario de Pernambuco, Carlos Frederico Vital, assinou ontem um termo de compromisso com a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e a Associação da Imprensa de Pernambuco (AIP) para realização de um projeto de recuperação e conservação do acervo histórico do jornal. A parceria foi oficializada no Clube do Diario, na Zona Norte do Recife. Também participaram da assinatura Marcos Galindo, professor de pós-graduação em ciências da informação e coordenador do laboratório Liber, da UFPE, e o presidente da AIP, Múcio Aguiar.

Fundado por Antonino José de Miranda Falcão, em 7 de novembro de 1825, o Diario caminha revitalizado em direção aos seus 196 anos. Com o advento da internet e das redes sociais, o jornal mais antigo em circulação na América Latina se modernizou para acompanhar os novos tempos, sem perder a sua prestigiosa tradição.

Com tantos anos de história, o acervo foi se desgastando ao longo do tempo, deixando parte da coleção ameaçada. O projeto de recuperação ajudará a manter viva e em condições adequadas a memória dos trabalhos de grandes nomes como Joaquim Nabuco, Gilberto Freyre, Tobias Barreto e tantos outros que contribuíram nas páginas do jornal.

O acordo também beneficiará a UFPE, que visa utilizar a tecnologia para realizar trabalhos de conservação e digitalização com maior qualidade que nos métodos tradicionais. A universidade pretende criar um curso para formar novos especialistas em restauração de acervos e materiais orgânicos. “Esse trabalho servirá como porta de entrada para outras oportunidades. É um projeto muito delicado, que demandará muito tempo, esforço e financiamento. Possivelmente levará mais de 10 anos para ser concluído, por causa da falta de recursos, que é uma das frentes de desafio, bem como a questão do novo local de armazenamento, pois existem necessidades específicas para garantir a perenidade dos documentos”, afirmou Galindo.

Durante a reunião foram debatidas as prioridades para iniciar os trabalhos de restauração, que estão divididos em duas etapas principais: uma emergencial, para os documentos em pior estado, e outra estrutural. Uma das prioridades é encontrar o local adequado, tendo em vista que a universidade não possui espaço suficiente. O projeto também busca apoio da Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco (Facepe) e do governo da Holanda para agilizar o início dos trabalhos.

Para Galindo, o acervo é mais do que um patrimônio privado, podendo ser considerado universal. “A coleção tem que ser encarara assim para preservar a memória do jornal”, disse.

História

O presidente da AIP, Múcio Aguiar, reiterou o papel do Diario na formação de opinião da sociedade, e destacou que proteger seu material é proteger e valorizar a história do jornalismo pernambucano. A AIP é conhecida por sua constante luta pela liberdade de imprensa, democracia e exaltação do jornalismo de qualidade, sendo uma forte apoiadora dos jornais impressos. A instituição também colabora para a preservação de acervos de jornais do interior. Um dos objetivos mais recentes da entidade é, em conjunto com a Associação Portuguesa de Imprensa, fazer com que os jornais centenários de língua portuguesa sejam reconhecidos pela Unesco como patrimônio histórico.

“É de extrema importância e de muita responsabilidade histórica realizar os trabalhos de preservação da memória do Diario. Por esse motivo, a AIP tem uma participação de articuladora para a preservação do patrimônio da imprensa nacional. Entramos nesse projeto como instituição da classe da imprensa para apoiar esse projeto de forma institucional”, declarou Múcio.