PE já tem 38 notificações de Monkeypox Com três novos registros de pacientes suspeitos, presidiários em Limoeiro, no Agreste, Pernambuco já tem sete confirmações e investiga outros 30 casos

Publicação: 05/08/2022 03:00

A Penitenciária Doutor Ênio Pessoa Guerra, em Limoeiro, no Agreste de Pernambuco, registrou ontem três casos suspeitos de contaminação pelo vírus Monkeypox, responsável por transmitir a Varíola dos Macacos. Os pacientes são homens, entre 19 e 28 anos, sem histórico de viagens recentes.

A Prefeitura de Limoeiro também informou que, através da sua Secretaria de Saúde, iniciou medidas para monitoramento dos casos e que investigações epidemiológicas estão sendo feitas em conjunto ao Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde. Os presos com suspeita da doença foram testados, inclusive para doenças sexualmente transmissíveis.

Com as suspeitas de Limoeiro, subiram para 38 as notificações de Monkeypox no estado, com sete confirmações, todas “importadas” (sem transmissão local, ainda).  Os sete são homens.

O pavilhão onde estão presos  em Limoeiro ficará isolado, como medida preventiva. O exame da Monkeypox é feito nos laboratórios da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, que é referência no assunto no país.

Endêmica na África, onde é registrada há mais de cinco décadas, a Varíola do Macaco (que não se assemelha à varíola tradicional, já extinta), tornou-se um surto, este ano, através da Europa. A doença, cujos principais sintomas são erupções doloridas na pele (bolhas, ou “pox”) e febre, ainda está sob investigação.

A cada dez casos, nove são entre homens que fazem sexo com outros homens (HSH), de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, que apesar de orientar vacinação específica para grupos de risco e profissionais de saúde, lembra que a transmissão também se faz por contato próximo (com as lesões ou com fluídos corporais, inclusive através de compartilhamentos de objetos), e que a monkeypox pode contaminar qualquer pessoa, indiferente à orientação sexual (já há no país, inclusive, confirmação em bebês).

No Brasil, mais de 1,7 mil casos já foram confirmados, a maioria em São Paulo. No mundo, já são mais de 24 mil confirmações. A OMS decretou a monekypox uma emerência global de saúde, na semana passada.