O palco dos filmes documentais Festival internacional É Tudo Verdade acontece de hoje até o dia 18 de forma on-line e gratuita, com exibição de 69 produções de 23 países, e homenagens a nomes como Caetano Veloso, Ruy Guerra e Chris Marker

DANILO LIMA
danilo.lima@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 08/04/2021 03:00

A 26ª edição do É Tudo Verdade, Festival Internacional de Documentários, começa hoje e segue até o dia 18 de forma gratuita e online, no site etudoverdade.com.br. Repetindo o modelo remoto do ano anterior, que chegou ao recorde de 116 mil espectadores nacionalmente, a edição exibirá 69 produções de 23 países, além de masterclasses e debates.

O festival é um dos melhores palcos e impulsionadores do circuito de premiações do setor de filmes documentais. As obras ganhadoras dos prêmios dos júris nas competições brasileiras e internacionais de longas, médias e curtas-metragens se classificam automaticamente para as primeiras seleções do Oscar de 2022 e podem aparecer entre os indicados do próximo ano. A cerimônia na qual serão divulgados os vencedores acontece às 17h do dia 18, pelo canal do É Tudo Verdade no YouTube.

A abertura hoje acontece às 21h com a exibição de Fuga, de Jonas Poher Rasmussen, premiado como melhor documentário no último Festival de Sundance. O diretor dinamarquês conta a viagem de infância do afegão Amin Nawabi, pseudônimo de um intelectual que por 20 anos escondeu um segredo que poderia arruinar a vida com seu futuro marido.

Já o encerramento do evento fica por conta da produção brasileira A última floresta, do diretor Luiz Bolognesi. O filme foi apresentado no Festival de Berlim e narra o embate do xamã Davi Kopenawa Yanomami para manter as tradições contra a chegada de garimpeiros na tribo isolada na Amazônia.

Muitos são os homenageados também pelo evento nesta edição. O renomado diretor Ruy Guerra, nascido em Moçambique, mas radicado no Brasil, terá algumas de suas obras exibidas, como O homem que matou John Wayne, e vai ministrar uma masterclass no dia 13. Também será celebrado o ano do centenário do diretor francês Chris Marker, com uma retrospectiva das suas obras mais famosas, como Sem sol (1983) e Carta da Sibéria (1958).

Mais um destaque é a mostra Caetano.DOC, uma seleção de documentários que constroem um panorama da vida e obra do compositor e músico Caetano Veloso desde a década de 1960. Entre as obras estão Canções do exílio: a labareda que lambeu tudo (2010), de Geneton Moraes Neto, e o recente Narciso em férias (2020), de Ricardo Calil e Renato Terra.

O festival é uma realização da Secretaria Municipal de Cultura da Cidade de São Paulo junto com a Secretaria Especial de Cultura do Governo Federal. Toda a programação pode ser conferida no site do É Tudo Verdade, e as obras exibidas serão distribuídas por diversas plataformas: Looke, Sesc Digital, Spcine Play, no site do Itaú Cultural, no canal de Youtube do Sesc 24 de Maio, e na TV pelo Canal Brasil.

Cine PE
Os realizadores de cinema interessados em participar da programação da 25ª edição do Cine PE - Festival Audiovisual têm até 8 de maio para inscrever produções na mostra competitiva pelo link festivalcinepe.com.br/inscricao2021. Os filmes podem participar das mostras de Curta-Metragem Pernambucano, Curta-Metragem Nacional e Longa Metragem, nas categorias ficção, animação ou documentário. Em 2020, 941 filmes foram inscritos, 5,3% a mais do que em 2019. O evento deve acontecer no segundo semestre deste ano, entre setembro e outubro, e ainda não se sabe em qual formato, mas a expectativa é que seja realizado em formato híbrido, com atividades presenciais e virtuais.