Vão chover pingos de amor por Diniz Um dos grandes compositores da música brasileira, o pernambucano Paulo Diniz faleceu ontem, aos 82 anos, deixando um repertório de grandes sucessos

Publicação: 23/06/2022 03:00

A música brasileira perdeu ontem um grande ícone, autor de clássicos especialmente entre as décadas de 1960 e 1980. O cantor e compositor pernambucano Paulo Diniz faleceu de causas naturais, aos 82 anos, em sua residência, no bairro de Boa Viagem, Zona Sul do Recife. Ele é dono de sucessos como O meu amor chorou, Vou-me embora, Bahia comigo, O chorão, Um chopp pra distrair, Ponha um arco-íris na sua moringa, Quero voltar pra Bahia - com versos de protesto e uma homenagem a Caetano Veloso - e especialmente o estrondoso hit Pingos de amor, lançado em 1971 e composto em parceria com Odibar, um grande parceiro de sua carreira.

Com 56 anos de carreira, Diniz já estava com a saúde debilitada. Apesar de ter continuado a se apresentar de cadeira de rodas, passou a ficar só compondo. O velório e enterro serão restritos para amigos e familiares e estão previstos para ocorrer na manhã de hoje. Ele deixa uma filha, duas enteadas e a esposa, Iluminata Rangel, além de três netos e dois bisnetos.

Nascido em Pesqueira, Paulo Lira de Oliveira iniciou como locutor em sua cidade natal e, após ser demitido por errar pronúncias em inglês, seguiu viagem pelo interior de Pernambuco e, depois, para o Rio de Janeiro. Foi onde despontou e teve canções gravadas por grandes nomes da MPB, de Clara Nunes a Emílio Santiago. Tornou-se um dos maiores vendedores de disco da década de 1970.

Desde 2020, Paulo Diniz tinha um projeto em conjunto com a cantora e compositora pernambucana Cristina Amaral, que lançou recentemente uma versão e um clipe de Pingos de amor. A ideia de ambos era gravar, em conjunto, o álbum Cristina Amaral canta Paulo Diniz. Em entrevista ao G1, ela externou bastante tristeza e disse planejar gravar o álbum. “Eu vou dar continuidade ao projeto, mas queria que fosse com ele em vida”, declarou, ao portal.