Ciência e Saúde

O país da mudança de sexo Sérvia atrai estrangeiros que querem alterar seu gênero, principalmente de mulheres para homens

NaKatarina SUBASIC e Rachel O'BRIEN
da Agëncia AFP

Publicação: 11/03/2017 03:00

Belgrado - A Sérvia acolhe os estrangeiros que querem mudar de sexo, principalmente as mulheres que desejam se tornar homens, um paradoxo em um país onde a metade da população considera a homossexualidade como uma doença.

A.T., de 38 anos, trabalha como anestesista na Itália. Antes de decidir onde faria sua cirurgia, levou em consideração o custo da operação e a formação das equipes de saúde sérvias, e chegou à conclusão de que o país era um lugar adequado para mudar de sexo.

A Sérvia conta com uma medicina de alto nível, o que é essencial para uma cirurgia de mudança de sexo de mulher para homem, mais complicada que a inversa. A cirurgia sérvia tem uma longa tradição neste setor. No final dos anos 1980, Savo Perovic foi pioneiro em operações de mudança de sexo, e seu aluno Miroslav Djordjevic seguiu seus passos e assumiu essa função.

A.T., que começou sua transformação há 14 anos, optou pelo Center for Genital Reconstructive Surgery de Belgrado, dirigido pelo professor Djordjevic. “Fiz muitas pesquisas e entrei em contato com muitas clínicas. Percebi que quase todos tinham sido alunos do professor Djordjevic”, afirma A.T.

Na Itália, ele poderia conseguir fazer a operação de graça mas, na sua opinião, os cirurgiões locais carecem de experiência. Na Sérvia, pagou 15.000 euros. No Reino Unido, lhe teria custado 60.000. Segundo Miroslav Djordjevic, só cerca de 20 centros no mundo são capazes de realizar uma operação de mudança de sexo de mulher para homem, e sua clínica é um deles. “Retiramos de uma vez só os seios e os órgãos sexuais femininos”, e “concluímos com a cirurgia para criar um pênis”, explica o cirurgião de 51 anos.

CEM POR ANO
David Ralph, urologista radicado em Londres, é especialista em construção peniana. Ele opina que os especialistas sérvios são “bons cirurgiões”, que “realizam uma boa faloplastia”. Ralph prefere realizar várias operações pequenas, em vez de fazer tudo de uma vez só, para evitar complicações. Isto é o que explica, segundo ele, a diferença de preço em relação à Sérvia.

A cada ano, uma centena de estrangeiros são operados na Sérvia para mudar de sexo. Eles vêm do Japão, Brasil, África do Sul, Austrália e Estados Unidos, entre outros. Cerca de 20 deles são procedentes da antiga Iugoslávia, e a maioria (85%) são mulheres.

Antes da cirurgia, o paciente passa por longo processo, que reduz o risco de arrependimento, com avaliações psiquiátricas, tratamento hormonal e análise minuciosa de documentos, no caso dos estrangeiros. 

CUSTO E EQUIPE MÉDICA SEM IGUAL NA EUROPA
Anestesista italiano cumprimenta o cirurgião Miroslav Djordjevic, responsável pela operação de mudança de sexo. Formação e preço foram determinantes
Saiba mais...
Preconceito