O frevo nosso desde 1906 Festejado como se tivesse "nascido" em 1907, o nome do ritmo foi citado no Diario um ano antes. Mais de um sculo depois, pesquisador tenta trazer luz a primazia

Mariana Moraes
mariana.moraes@diariodepernambuco.com.br

Publicao: 08/02/2020 03:00

O frevo já é tão natural ao pernambucano que parece que o estado nasceu ao ritmo dele. Oficialmente, este estilo musical é comemorado no dia 9 de fevereiro, data que foi escolhida, desde 1990, por representar a primeira vez em que o termo “frêvo” – ainda grafado com acento – foi veiculado por um periódico que circulava na época, o Jornal Pequeno. A publicação de fim de semana do ano de 1907 trouxe uma nota assinada pelo jornalista Oswaldo Almeida sobre as músicas do ensaio do Clube de Empalhadores do Feitosa, na qual estava a canção O frêvo. Mas quem poderia imaginar que um fato tão tradicional também não carregasse suas surpresas?  

Acontece que uma descoberta recente mexeu com a história. O frevo já havia sido citado pelo menos um ano antes do que a data que hoje marca seu aniversário, na coluna Vida Social, no Diario de Pernambuco. À época, mais precisamente no dia 11 de janeiro de 1906, a capa do mais antigo jornal em circulação na América Latina trazia: “A Troça carnavalesca mirim Tome Farofa realiza hoje, na Rua dos Ossos, às 7 horas da noite, ensaio de cantorias sendo executadas as seguintes marchas: O frêvo, Um nickel para bicala e Adubo da farofa.”

Quem tenta trazer esta informação à luz é o pesquisador Roberto Vieira. Mesmo que sua especialidade seja o futebol, com mais de 10 livros publicados, o médico por formação tem o carnaval entre seus temas prediletos. Roberto passou dias no Arquivo Público procurando informações sobre a festa no estado. “É delicado tratar deste assunto porque mexe com a memória de Evandro Rabelo, pesquisador que encontrou no Jornal Pequeno a citação ao frevo e lutou com afinco, por muitos anos, para criar o dia do ritmo. Mas, para quem trabalha com história, uma informação destas não pode ser deixada de lado”, explica Vieira. “É como descobrir que o grito da independência foi dado no dia 6 de novembro.”

É bem verdade que o erro já havia sido observado, há 20 anos, pelo pesquisador e jornalista Leonardo Dantas Silva, que também já trabalhou na redação do Diario. Em seu livro Carnaval do Recife, o ex-diretor do Departamento de Cultura da Secretaria de Educação e Cultura do Estado chega a citar a edição de 1906, mas o fato acabou dividindo espaço com as muitas outras informações da publicação.  

Simbolismo
“Preciso dizer que eu não fui o primeiro a perceber que comemoramos o dia do frevo na data “errada”, se é que podemos chamá-la assim, mas acredito que a primazia jornalística da publicação pertencer ao Diario de Pernambuco e não ao Jornal Pequeno deveria ter sido mais destacada”, comenta Vieira. “O fato é importante do ponto de vista histórico e carrega em si um simbolismo ímpar. Devia ter ficado registrado que o jornal mais antigo em circulação no continente chegou primeiro neste quesito. O Diario é um ponto tão formidável de nossa cultura quanto o ritmo do frevo”.

“Eu não tento modificar o dia de comemoração. Já está fincado na nossa história”, esclarece o pesquisador. “Na verdade, espero que todos tratem o resultado desta pesquisa como mais uma data para frevar. A gente não perde nada, só ganha.” Boa notícia para o povo pernambucano, que não precisa de motivo para fazer a festa.  
 
Anote na agenda
 
Comemorações do Dia do Frevo

Concurso de Passistas

A Prefeitura do Recife promove a disputa no Pátio de São Pedro, no sábado e domingo, a partir das 17h. Neste ano o concurso terá 61 participantes. Os inscritos se apresentarão nas categorias Juvenil e Adulto, cada uma com competições no feminino e masculino, além do Passista de Rua. Haverá premiações entre R$ 840 e R$ 1,8 mil.

Paço do Frevo

Neste sábado, serão realizados lançamentos literários da Cepe Editora: Frevo - Transformações ao longo do passo, do historiador Climério de Oliveira e do músico e professor Marcos Ferreira Mende (Marcos FM), e Arranjando frevo de bloco, também de Marcos FM. Começa às 15h, com apresentação musical de Climério e orquestra.

Neste domingo, o Paço terá Maestro Spok comandando uma série de três apresentações do projeto Roda de Frevo. Os passistas do projeto Trajetos e Trejeitos, com direção de Alisson Lima, que conduzirão a festa junto a Spok, traduzirão o frevo tocado no palco em movimentos na rua. Começa às 14h.

Tumaraca
No sábado haverá ensaio do Maracatu Nação Raízes de Pai Adão, uma das 13 nações que compõem o Tumaraca, espetáculo que reunirá as agremiações num grande encontro no Marco Zero, no dia 20 de fevereiro. Será na Rua Estrada Velha de Água Fria, 1.664.

Aurora dos Carnavais

O encontro de bloco leva lirismo à Rua da Aurora, no bairro de Santo Amaro. Com apoio da Prefeitura do Recife, 26 agremiações de pau e corda vão desfilar, entre eles o homenageado do carnaval, o Bloco das Flores, e o Flor de Lira, que completa 100 anos de fundação. Domingo, às 15h30.