Comportamento

Pernas pro ar... Espaços para a prática de ginástica infantil surgem no Recife de olho nos pais que se preocupam em uma alternativa mais saudável para uma geração cada vez mais conectada ao mundo virtual e com risco de obesidade

Publicação: 24/06/2017 03:00

Quem já ouviu uma mãe ou um pai reclamar que as crianças de hoje não querem largar os smartphones e a computadores? Basicamente, todo mundo. A grande questão que realmente incomoda os adultos sobre esses hábitos é que, além dos perigos do mundo virtual, o apego dos pequenos pelos games e desenhos influencia também no crescimento da obesidade. De acordo com dados divulgados este mês pelo Ministério da Saúde, o número de obesos no Brasil cresceu 60% nos últimos 10 anos. Pensando nisso, os empreendedores brasileiros estão começando a enxergar um nicho novo no mercado pouco explorado: as academias de ginástica infantil. Em Pernambuco, duas marcas já iniciaram os trabalhos e garantem que a demanda por aqui só aumenta.

A aposta mais recente da capital pernambucana acaba de chegar na Tamarineira. Com o nome a Hora do Recreio, a franquia já é sucesso em capitais como Teresina, Maceió, Belém, São Luís e Cuiabá. No espaço pernambucano, comandado pela empresária Ana Karina Lima, o programa de atividades é realizado por meio de brincadeiras que variam o foco de acordo com a idade dos alunos. De dois a quatro anos, o trabalho é de energia, com ações de pular, correr e rolar. De três a cinco anos o estímulo é nas habilidades coordenativas, percepção espaço temporal e lateralidade. Nos seis a oito anos, o foco é a força, onde começam a entrar exercícios que envolvem desafio e motivação e, dos nove a 11 anos, o trabalho é na potência, onde entra o treino cardiorrespiratório e atividades de flexibilidade.

“Nós focamos no desenvolvimento da consciência corporal sem o ambiente competitivo dos esportes. A ideia é que as crianças realizem atividades de uma forma lúdica, musical e pautada na cooperação”, explica Ana Karina. Apesar de ter poucos dias de funcionamento, ela garante que não faltam pais interessados procurando o local. “Temos tido um grande feedback”, completa. Já a Pratique Movimento, que fica em Casa Forte, foi pioneira no estado e começou a ofertar o treinamento funcional infantil em 2014, através de Carlos Kucera, preparador  físico que trabalha com crianças desde 2003. Para ele, o crescimento do negócio também é reflexo dos formatos engessados e pouco atrativos das aulas de educação física nas escolas brasileiras. “As escolas acabaram deixando de lado essa preocupação com o desenvolvimento motor infantil e a ginástica acaba sendo um complemento dessa educação”, afirma.

Na Pratique, o serviço oferecido também varia de acordo com a idade. Crianças de até dois anos matriculadas nas aulas podem comparecer somente à parte de natação. Após essa idade, os pequenos já podem realizar as atividades que são intituladas de Movimento Criativo e Treinamento Funcional. “Todas as atividades estimulam o desenvolvimento infantil por meio de elementos do corpo, do espaço, do ritmo e do movimento”, diz Carlos Kucera. De acordo com o empresário, há muito mercado e “quem sair na frente vai ser referência”.