Comportamento

A técnica que protege e empodera Krav Maga ensina autodefesa e aumenta a segurança das mulheres

texto: MARIANA FABRÍCIO | mariana.fabricio@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 18/03/2017 03:00

 (Mandy Oliver/Esp.DP)
Somente no ano passado foram registrados mais de 50 mil casos de violência contra mulheres no estado, segundo a Secretaria de Defesa Social. O medo de se tornar refém de situações de risco, como num assalto, estupro ou violência doméstica, ampliou a procura por técnicas de defesa pessoal. Oferecer segurança e aumentar a autoestima estão entre os principais benefícios do Krav Maga, que, diferentemente da luta, não tem caráter competitivo. De acordo com a Federação Sul Americana de Krav Maga, o público feminino já representa 30% dos alunos. Devido à procura, será realizado neste domingo o Seminário Gratuito de Defesa Pessoal para Mulheres, na Superintendência da Polícia Federal, no Cais do Apolo. O evento, que iniciou atividades no fim de semana passado, trará o tema Não seja vítima, reaja.

O equilíbrio emocional é um dos principais benefícios trabalhados pelo Krav Maga. O domínio de cada movimento impede que a vítima seja dominada pelo medo. “A prática também desenvolve naturalmente a autoconfiança. Os exercícios mostram que você não é só refém das circunstâncias, mas pode construir seu destino”, explica o instrutor-chefe da Federação Sul Americana de Krav Maga, Daniel Luz.

Há três anos praticando a autodefesa, a advogada Amanda Rodrigues, 22 anos, lembra que se livrou do pânico de sair de casa sozinha por estar pronta para reagir. “A gente sempre diz para suspeitar de tudo. E isso não significa ficar paranoica, mas sim ficar atenta. Andar mais próximo da rua do que da calçada para evitar que seja encurralada, é um exemplo. Ao ver uma pessoa suspeita a nossa postura corporal diz se estamos ou não vulneráveis”, explica. O advogado Gustavo Henrique Lima, 30, que participou, junto com Karina, da demonstração mostrada na foto desta página, protegeu uma mulher usando a técnica. Praticante há cinco anos, ele conseguiu imobilizar, até a chegada da polícia, um homem que agredia a esposa dentro de um avião antes da decolagem, no Aeroporto Internacional do Recife.