DIARINHO

em sintonia com as notas Manusear um instrumento musical com habilidade é consequência de uma prática capaz de ser aprendida e desenvolvida. Mas é preciso ter muita atenção, dedicação e persistência

Emília Prado
Especial para o Diario
edviver@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 04/11/2017 03:00

Ver o pai em casa tocando violão foi o que despertou em Ana Júlia Nóbrega, 9, o desejo de aprender um instrumento. A princípio, queria seguir os passos dele, mas a mãe sugeriu outras opções que considerava mais fáceis para começar, e a garota acabou escolhendo o teclado. “Ainda quero aprender a tocar violão, mas estou gostando do teclado. Também tinha interesse em aprender esse instrumento”, conta. Ela só pratica nas teclas quando está na aula, mas, em breve, vai ganhar instrumento. E diz que pretende tocar todos os dias.
Aprender a manusear não só proporciona uma aproximação com a música, como ajuda a desenvolver outras habilidades. A professora de música da BSB Musical Rebeca Sousa destaca algumas: a coordenação motora, o foco, que é extremamente necessário para o processo de aprendizagem, a memória e o contato com outras culturas, afinal, toda sociedade produz tipos diferentes de música. Reproduzir música envolve muito mais que as mãos, é verdadeiro exercício para a mente.
Como qualquer atividade nova, leva um tempo para dominar um instrumento. Logo nas primeiras aulas Ana Júlia encontrou dificuldades: “A parte mais difícil foi no começo, quando estava aprendendo as notas. Agora que já sei, fica mais fácil e só preciso aprender as músicas”. Quem também teve obstáculos quando começou a aprender foi Maria Luísa Buarque, 8. A estudante viu que não seria tão fácil quando, nas primeiras aulas de violão, começou a sentir dores nos dedos. “Mesmo sendo com corda de náilon, que machuca menos, meus dedos doíam quando  estava aprendendo a formar as notas, tanto que algumas vezes ficava sem paciência para continuar”, confessa.
Malu recebe aulas em casa duas vezes por semana, mas pratica com seu violão todos os dias. Já que toca tanto, toma cuidado para que o estudo da música não atrapalhe o da escola: “Como estudo à tarde, faço as tarefas quando chego em casa, à noite, para poder tocar de manhã”.
Matias César, 10, também escolheu o violão, mas a motivação foi tocar na igreja. “Há três meses comecei a receber aulas e já estou aprendendo algumas músicas. Tem até uma que já sei de cor. Com o tempo vai ficando mais fácil e mais rápido”, ele diz.