Turismo

Quando o hotel é um hospital Em alta no mundo, o turismo médico é disputado por países de olho em um mercado que cresce 25% ao ano e arrecada milhões de dólares

texto: Marie JULIEN
DA AGÊNCIA FRANCE-PRESSE

Publicação: 13/05/2017 03:00

Feira internacional apresenta as novidades sobre tratamentos. Classe média é a que mais busca novidades na área de saúde. Países árabes estão entre os que enviam e recebem pacientes (fotos: AFP)
Feira internacional apresenta as novidades sobre tratamentos. Classe média é a que mais busca novidades na área de saúde. Países árabes estão entre os que enviam e recebem pacientes

Berlin - Cada vez mais pessoas não hesitam em entrar em um avião e viajar para outro país para se operar ou fazer exames médicos, alimentando um tipo de turismo em pleno auge,  que já representa milhões de dólares, e que deve aumentar 25% ao ano durante a próxima década, segundo um estudo recente da Visa e da Oxford Economics.

“A demanda cresce, em parte, devido ao envelhecimento da população, mas também por uma classe média crescente em todo o mundo que se informa, através da internet, sobre os tratamentos que existem para eles em outros países”, explica Julie Munro, presidente da Medical Travel Quality Alliance (MTQUA), que faz uma classificação dos dez melhores hospitais para viajantes.

O turismo de saúde está longe de ser exclusivo de alguns países ou de se limitar a cidadãos de nações ricas, chegando a países menos caros.  Estados Unidos, Turquia, Tailândia, Cingapura, Espanha e Alemanha são alguns dos países aonde os turistas vão para escapar das longas listas de espera e acessar tratamentos que não estão disponíveis ou são caros demais nos seus países.

“O turismo de saúde é mundial. Na Alemanha, muitos alemães vão, por exemplo, à Polônia ou à Croácia para cuidados dentários menos caros, mas há também muitos russos e habitantes da península arábica que vêm à Alemanha porque há hospitais de qualidade e cuidados que não têm em seus países”, detalha Thomas Bömkes, diretor da agência de marketing Diversity Tourism, sócio do ITB.

Dubai exibe maquete de estrutura que visa atrair mais turistas (AFP)
Dubai exibe maquete de estrutura que visa atrair mais turistas

Sobrediagnóstico
A rede de clínicas oftalmológicas Worldeye (Dünyagöz), presente na Turquia, na Alemanha e, em breve, na Holanda, afirma que recebe 50.000 pacientes estrangeiros de 107 países por ano. “Trabalhamos com agências (de viagem) e oferecemos pacotes completos”, com recepção no aeroporto, indica Jacco Vroegop, diretor das clínicas de Amsterdã e Frankfurt. A oferta de turismo de saúde é muito variada, incluindo tratamentos odontológicos, cirurgia estética, medicina reprodutiva, tratamentos de câncer ou cardíacos, reabilitação e exames preventivos, entre outros.

No entanto, embora “a cultura médica mude de um país para outro”, Julie Munro alerta do risco de um “sobrediagnóstico” para aumentar a fatura. Além do primeiro pré-requisito de instalações médicas de qualidade e boa infraestrutura, a segurança do país também é um critério para atrair turistas de saúde.

Recém-chegados
Dubai aposta, desde 2012, no turismo médico, concentrando-se em sete especialidades para as quais a cidade tem capacidades médicas necessárias, sem afetar o acesso aos cuidados da população local e selecionando 42 centros que priorizam o atendimento a pacientes estrangeiros. “Lançamos uma estratégia, uma marca, Dubai Health Experience, um site e um aplicativo móvel” com as informações oficiais, diz Linda Abdulla Ali, consultora do Medical Tourism Council de Dubai.

Em 2015, 298.000 pessoas viajaram a Dubai para receber cuidados médicos, e 30% deles vinham de países árabes. “Nosso objetivo é atrair meio milhão de turistas médicos até 2020”, ano da Exposição Universal de Dubai, indica Linda Abdulla Ali.

Outros países começam agora a se lançar nesse setor, como Portugal. “Ainda estamos preparando nossa estratégia”, explica Joaquim Cunha, do Health Cluster Portugal.  Esta estratégia se baseia em “um parque moderno de hospitais particulares, porque não podemos utilizar hospitais públicos com fins de turismo médico”, aponta.