VRUM

Bom acerto da fiat Montadora escala o Argo na versão HTG para tomar os clientes que foram levados pelo HB20 e Onix . Novo Polo deve entrar nessa briga também

Bruno Vasconcelos
bruno.vasconcelos@diariodepernambuco.com.br

Publicação: 17/08/2017 09:00

Quem acompanha o mercado automotivo nacional notou que nos últimos anos o principal segmento de vendas, o dos hatches compactos, passou por uma enorme transformação. Modelos que antes nasciam “pelados” e eram os carros de entrada no país foram ficando mais equipados. Quem acelerou esse processo inevitável foi o Hyundai HB20, que entregou um novo nível de acabamento e de equipamentos de série desde as unidades mais baratas. Claro que o preço acompanhou a evolução dos carros, tanto que hoje temos versões desse segmento que ultrapassam estratosféricos R$ 80 mil. Um bom exemplo desse novo patamar é o que a Fiat fez com o novo Argo, modelo que aposentou Punto e Bravo e que nasce com a missão de desbancar rivais bem consolidados no mercado.

Uma das vantagens do modelo da Fiat está variedade de motorização (são três: 1.0, 1.3 e 1.8) e de versões de acabamento (sete ao todo). Mas vamos focar nosso texto na topo de linha HGT, que foi a primeira unidade que a Fiat nos enviou para avaliação.

Com apelo mais esportivo, essa versão briga diretamente com o HB20 RSpec (R$ 62.430) e o Onix Activ (R$ 60 mil). Mesmo sendo o mais caro da turma, o Argo se destaca pela motorização maior: o velho conhecido E.Torq 1.8 de 139 cv de potência. Vale lembrar que os rivais do Fiat já vêm com caixa automática, enquanto no italiano, para se ter esse conforto, é preciso pagar R$ 4 mil a mais.

O Argo HGT é indiscutivelmente lindo. Muita gente acusa a Fiat de “copiar” o desenho de seus rivais: “Tem a traseira do HB20 (...) a lateral do Gol”. Escutamos muito isso durante os dias que ficamos com o carro.

Mesmo sendo lindo por fora, é no interior que o Argo HGT se destaca ainda mais. O nível de acabamento dessa versão só pode ser comparado (dentro da gama da Fiat) com o que vemos na picape Toro. Podemos dizer até que no hatch o capricho dos italianos foi ainda maior. A posição “saltada” da tela multimídia de 7 polegadas com as três saídas de ar logo abaixo deu um toque de Mercedes-Benz ao carro.

Andamos com o HGT tanto na cidade como na estrada e os números de consumo de combustível não foram bons. Nas ruas engarrafadas do Recide, o Argo andava 5,1 km/l de etanol e na estrada 7,9 km/l. Com gasolina testamos apenas na estrada e o valor passou para 9,1 km/l. A missão de tirar clientes do Onix e HB20 não será fácil. O que também deve preocupar os vendedores da Fiat é a chegada de mais um competidor de peso para essa disputa. A Volks deve apresentar no final de setembro o esperado novo Polo, que promete revolucionar o segmento com muita tecnologia e design. A briga promete!

Preços
Fiat Argo HGT
  • A partir de R$ 64.600
  • Versão que testamos: R$ 73.600